Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
14:00:00
Em Alta
18:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Pessoas infectadas podem transmitir coronavírus para felinos

Baixar Áudio por Ricardo Silva

Alguns cuidados podem reduzir as chances de adoecimento dos gatinhos

Os seres humanos podem transmitir o coronavírus para animais. O caso, até pouco tempo inédito, foi confirmado no município de Caxias do Sul, na Serra do RS. Por lá, uma gatinha morreu após os donos testarem positivo para a doença.

De acordo com a médica veterinária Franciélen Rosseto, alguns cuidados podem reduzir os riscos de adoecimentos dos animais. Ela explica que quando o humano testa positivo para o novo Coronavírus, seria importante hospedar o pet em um local alternativo.

Os donos também devem evitar o compartilhamento de alimentos com os gatinhos, lambidas e beijos. Ainda, não se recomenda que no período da moléstia, humanos e gatos dividam a mesma cama.

Franciélen afirma que a transmissão ocorre por que os receptores nas células dos felinos são parecidos com os do organismo humano, mas que os animais não transmitem o corona para seus donos. Ouça a entrevista.

Felino doente em Caxias do Sul

O caso foi notificado pela Divisão de Vigilância Ambiental em Saúde do Rio Grande do Sul à Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e abastecimento. O diagnóstico aconteceu em 5 de março. Os responsáveis pelo animal também testaram positivo para a doença.

Segundo a Vigilância, no dia 18 de fevereiro o casal levou a felina, que tinha dois anos, para um atendimento veterinário. No exame clínico, o animal apresentou "quadro de dispnéia [falta de ar], rouquidão ao vocalizar, tosse, hiporexia [perda de apetite] e leve perda de peso", conforme o relatório.

O exame também revelou quadro inflamatório pulmonar. Por isso foi coletada uma amostra da gata e realizado um teste RT-PCR pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). No dia 5 de março o diagnóstico positivo para a doença saiu. Uma contraprova foi feita pela Universidade Feevale. Uma semana após o diagnóstico, a gata teve piora do quadro e precisou de apoio respiratório. Ela ficou internada por quatro dias, apresentou melhora e foi liberada para seguir tratamento em casa, mas morreu. Outros dois gatos vivem na mesma casa, mas não apresentaram sintomas.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Cacique

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais