Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
05:00:00
Tá na Hora
07:00:00
 
 

Falta de conscientização e ampla testagem fazem com que Encantado concentre 47% dos casos de dengue do RS, afirma secretária municipal da Saúde

por Denise Furlanetto

O município contabiliza 354 casos

Foto: Assessoria de Imprensa

A falta de conscientização da população e a ampla disponibilização de testes rápidos são apontados como os principais fatores que fazem com que Encantado concentre 47% dos casos confirmados de dengue no Rio Grande do Sul em 2023. O município do Vale do Taquari contabiliza 354 das 747 confirmações da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti em todo o território gaúcho, conforme a última atualização do painel de monitoramento da Secretaria Estadual de Saúde, na manhã desta segunda-feira, 13/03.

De acordo com a secretária de Saúde de Encantado, Clarissa Pretto Scatola, desde a confirmação do primeiro caso deste ano, em 23 de janeiro, o município estipulou que todos os postos de saúde deveriam disponibilizar testes rápidos da dengue, para que se pudesse ter um acompanhamento da situação e traçar estratégias de controle. Essa mesma medida foi adotada em 2022, quando a cidade teve apenas nove casos confirmados da doença. 

— No momento em que temos a notificação correta, conseguimos ter um trabalho efetivo no sentido de prevenção e conscientização. Hoje, o que mais percebemos nos bairros mais afetados, principalmente no bairro onde iniciaram os casos, é realmente o acúmulo de água parada em tonéis, potes e pneus — afirma Clarissa.

Esse acúmulo de água, segundo a secretária, tem uma forte relação com a estiagem. Ela comenta que os moradores têm o costume de reservar água da chuva para utilizar em atividades como molhar plantas e lavar carros, com o objetivo de economizar.

Com a estratégia de ampla testagem, Clarissa acredita que é possível ter certeza de onde estão todos os pacientes e, consequentemente, os focos de mosquitos. Para ela, Encantado não apresenta subnotificação dos casos de dengue, já que qualquer pessoa com a partir de dois sintomas que procura uma unidade de saúde consegue realizar o teste rápido.

— Temos toda uma logística com os laboratórios particulares, que foi criada na pandemia, então isso também é notificado para nós e notificamos o Estado, assim como quando os testes são feitos em farmácias. Notificamos tudo e instauramos de imediato uma sala de crise para acompanhar a situação e não deixar nenhum local desassistido — ressalta.

Além disso, para tentar controlar o problema, o município realiza ações diárias de conscientização, de varredura (onde agentes de saúde percorrem os bairros, passando de casa em casa, para eliminar os criadouros) e de aplicação de inseticida. Atualmente, essa aplicação é feita de duas formas distintas: com a máquina costal e em uma camionete.

Nesta segunda (13), a partir das 18h, dois veículos percorreram ruas de Encantado para realizar a pulverização do produto. O equipamento fica na caçamba da camionete e é controlado por uma agente de combate a endemias do município, que acompanha a ação do banco do carona. 

Conforme Clarissa, os veículos e os motoristas foram enviados ao município pela Vigilância Estadual de Saúde, como uma forma de reforçar as ações de combate ao mosquito já realizadas. Antes das aplicações, um carro de som passa pelas ruas informando sobre o trabalho e solicitando que os moradores deixem as portas e janelas abertas, para facilitar que o inseticida alcance os insetos.

— A aplicação com essa máquina é mais superficial, não se aproxima tanto das casas, mas tem uma abrangência maior de raio e é mais rápida do que com a forma costal. A primeira tentativa que se faz, quando se tem uma confirmação, é abrir um raio de 150 metros onde é feita uma varredura com os agentes de saúde, que visitam as casas limpando tudo. Depois, fazemos a aplicação do produto. Não adianta só passar o produto, tem que eliminar o criadouro, que é o que realmente vai ser eficaz.

Atualmente, o município não tem nenhuma internação por conta da dengue. A secretária ressalta que houve um trabalho de conscientização da população sobre a necessidade buscar o posto de saúde para receber o diagnóstico e acompanhamento adequado. Já as ações contra o mosquito fazem parte da rotina desde 2017, quando a cidade passou a ser infestada pelo vetor da doença, enfatiza Clarissa.

— Desde 2017 fazemos toda a parte de prevenção dentro das escolas, através de um programa de saúde nas escolas do Estado, de visitas dos agentes de saúde nas casas também. O que aconteceu agora foi intensificar todas essas ações — diz.

(Fonte Pioneiro)

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Garibaldi

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais