Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
07:00:00
Conectado
09:00:00
 
 

Luz pelas rachaduras

Miguel Debiasi

Luz pelas rachaduras

Ao compositor popular brasileiro, Lamartine de Azeredo Babo (1904-1963) é atribuída a letra da canção: Adeus ano velho! Feliz ano-novo! Que tudo se realize, no ano que vai nascer! Muito dinheiro no bolso, saúde para dar e vender! Canção que todos cantam na noite de virada de ano. A canção deixa clara as esperanças e as expectativas depositadas sobre o ano que se inicia.

A celebração festiva pela entrada de Ano Novo é muito antiga. As civilizações da antiguidade comemoram a passagem associada à transição lunar. O imperador romano Júlio César em 49 a.C., introduziu uma série de reformas sociais e políticas em seu governo, incluindo o calendário juliano. Este decretou que na passagem do inverno para a primavera, a data que seria comemorado o Ano Novo, com base no calendário juliano, em homenagem ao deus Jano, o deus das transições e das mudanças.

A tradição romana foi modificada com a chegada da era cristã. O Papa Gregório XIII (1502-1585), em 1582 assinou um documento determinando uma reforma na maneira de contar o tempo, estabeleceu que o Ano Novo inicia dia 1º de janeiro, tendo em média 365 dias, 5 horas, 49 minutos e 12 segundos. Dessa forma corrigiu-se a diferença ou de atraso de três dias em cada quatrocentos anos observada no calendário juliano. Por isso se chama calendário gregoriano, também chamado de cristão ou ocidental.

O calendário gregoriano é aceito pela maioria dos países, comemorando a chegada do Ano Novo na data de 1º de janeiro. A celebração de entrada de ano tem significado de esperança e de mudança positiva para a vida. Esta celebração ganha certa magia, de ser possível deixar para trás as coisas que impactaram negativamente para abrir-se para uma nova fase da vida. É neste sentido que a véspera de Ano Novo, o dia 31 de dezembro é celebrado como o termo Réveillon, em francês significa despertar – acordar – reanimar.   

Na passagem de ano, multidões se aglomeram em lugares centrais das cidades, a beira mar, enchendo os céus de fogos de artifícios, prédios imponentes iluminados com muitas luzes e com dizeres de felicitação. A celebração é uma solenidade acompanhada de brindes de espumantes, abraços, beijos, votos de muitas felicidades e coisas boas aos outros. É muito comum que famílias e amigos cantem os hinos tradicionais como: Adeus, ano velho! Feliz ano-novo! Mas a euforia pela travessia de ano não transforma a realidade que se apresenta com grandes rachaduras, impactando no desenvolvimento da humanidade e no seu processo de civilização.

No campo da economia, há rachaduras com a disparidade entre renda e riqueza distribuída nas classes sociais. A rachadura torna-se cada ano maior como mostram os números, 1% da população global detém metade de toda a riqueza. A riqueza da população mais pobre dá 1% do total. O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê o ano com queda no crescimento econômico, passando de 3,5% para 3%, a inflação terá redução muito lenta, a diminuição do salário mínimo que não acompanha a inflação e a instabilidade financeira das famílias com pouco poder de compras.  

No campo social as rachaduras são reflexos da economia, da renda e riqueza concentrada nas mãos de bilionários. Muitos grupos sociais são colocados numa situação de vulnerabilidade com baixa renda, menor nível de educação e de integração social. Os atingidos são os integrantes de minorias historicamente negligenciadas como negros, mulheres, índios, ciganos, imigrantes e as populações de terceiro mundo. Se as divisões econômicas endurecem, a desigualdade social acentua.

As rachaduras se intensificam no campo ecológico e na produção sustentável. Há uma agenda de consenso dos grandes problemas ambientais a serem resolvidos até 2030: adaptação e mitigação às mudanças climáticas; poluição e seu impacto na saúde; a proteção dos oceanos; a transição energética e as energias renováveis; um modelo alimentar sustentável; proteção da biodiversidade; desenvolvimento urbano e mobilidade sustentável; o estresse hídrico e a escassez de água; os fenômenos meteorológicos extremos; o excesso de população e a gestão de resíduos.

O campo da geopolítica é marcado pela multipolaridade, pela presença de diversos polos de poder em nível mundial. O mundo vive uma grande rachadura geopolítica como denuncia as guerras entre Ucrânia e Rússia, Israel ocupando o território palestino, além de ter causado inúmeras perdas humanas, tem elevado as tensões dos Estados Unidos com Rússia e China. Tudo indica que as rachaduras do setor geopolítico tendem a ficarem mais preocupantes e se prolongarem por décadas.

Há dezenas de conflitos étnico-culturais estabelecidos pelo mundo, alimentados pela ideia que uns são mais que os outros, do tipo “sangue azul”, expressão usada para designar membros de famílias nobres. Ela faz referência à cor clara da pele, sob a qual destacam-se veias e artérias azuis quase invisíveis na pele de mouros, judeus, negros constantemente expostos ao sol durante o trabalho. No Antigo Egito, os faraós diziam ter “sangue azul” como as águas do rio Nilo, contrapondo-o ao vermelho do sangue dos súditos. Esse preconceito étnico-cultural enraizado em nossa cultura impede e retarda a construção de uma nova cultura mundial, como do Fratelli Tutti, proposta pelo Papa Francisco.

As rachaduras de qualquer natureza traduzem os perigos para a história da civilização mundial. A história da civilização não se modifica com uma festiva comemoração de virada de ano. Os fatos evidenciam que ano de 2023 não foi justo para a maioria da população mundial, superar as rachaduras políticas, sociais, culturais, econômicas e ecológicas, bem longe disso será capaz 2024. Podemos almejar ser possível diminuir todas essas rachaduras, mas acreditar num ano perfeito é fantasia. Sabemos que a realidade sempre contradiz as fantasias humanas.

Além de termos de forma corajosa superado muitas dificuldades em 2023, sem colocarmos na balança os saldos negativos e positivos, estamos a comemorar a chegada do Ano Novo. Sob as circunstâncias reais, com os pés no chão torcer que a luz e as luzes possam iluminar as mentes humanas, os corações e as decisões das autoridades mundiais para diminuirmos as rachaduras abertas pelo ódio, pelo abismo entre as classes sociais, pelas guerras, desigualdade social e sede de domínio.

Como diz um pensamento: “há uma rachadura em tudo – é assim que a luz entra”. Que 2024 seja para todos o ano da luz, de mente iluminada e de vida digna.

Sobre o autor

Miguel Debiasi

Frade da Província dos Capuchinhos do Rio Grande do Sul. Mestre em Filosofia (Universidade do Vale dos Sinos – São Leopoldo/RS). Mestre em Teologia (Pontifícia Universidade Católica do RS - PUC/RS). Doutor em Teologia (Faculdades EST – São Leopoldo/RS).

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais