Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
18:00:00
Encontro Certo
19:00:00
 
 

Subsídios exegéticos para a liturgia dominical - ano A - 12/07/2020

por João Carlos Romanini

A semente que cai em terra fecunda, dá bons frutos

Foto: Divulgação

SUBSÍDIOS EXEGÉTICOS PARA A LITURGIA DOMINICAL ANO A

 

Dia:12/07/2020

15º Domingo do Tempo de Comum

Evangelho: Mt 13,1-23

Primeira Leitura: Is 55,10-11

Segunda Leitura: Rm 8,18-23

Salmo:  Sl 66,10-14

 

Evangelho

Em Mt 13 encontram-se sete parábolas do Reino: o semeador (1-23), o joio (24-30), o grão de mostarda (31-32), o fermento (33), o tesouro (44), a pérola (45-46) e a rede (47-50). Todas estas parábolas querem revelar a realidade escondida do Reino. Ou seja, dizendo-a em parábolas, a mensagem do Reino penetra no coração e nas mentes de forma simbólica, mas viva.

A parábola do semeador se divide em três partes: a) a parábola (vv.1-9), provavelmente vinda de Jesus, b) a função da parábola (vv.10-17), em parte de Jesus, em parte teologia pós-pascal, ou trabalho redacional, c) a explicação (vv.18-23), acréscimo posterior, ou explicação da comunidade. Nela a comunidade mudou a perspectiva da parábola.

a) A parábola (1-9): havia uma grande expectativa a respeito de Jesus, o Messias (Mt 16,16). Ele iria instaurar o Reino, porém, aos poucos, estas esperanças foram se frustrando, pois ele não realizou nada daquilo que dele se esperava. Parecia um fracassado. Ele encontrou muita rejeição (Mt 11,20-24). Os discípulos entravam em desânimo e a credibilidade do mestre teve queda. Muitos o abandonaram (Jo 6,66). Jesus quer fortalecer os desanimados, mostrando que as sementes do evangelho produzirão frutos, mesmo que algumas se tenham perdidas. Três tentativas foram nulas. Mas uma tentativa deu frutos muito acima do esperado. Em Israel se dizia que a colheita de trigo normalmente dava sete por um. Na melhor das hipóteses, dez por um. Mas na parábola se fala de cem, sessenta e trinta por um, o que é estupendo. Com isto, Jesus corrige o messianismo vigente. Ele não passa pelos sucessos, pelos triunfos costumeiros. Ele enfrenta derrotas e fracassos, mas os discípulos precisam mudar de mentalidade e crer na vitória que virá. Eles precisam semear, pois a semente da palavra, mesmo que muitas vezes não dá em nada, encontrará terra boa e frutificará. Os discípulos não podem se abater diante dos obstáculos, devem crer que, apesar dos fracassos, a vitória virá.

b) A função da parábola (10-17): quem se abriu a Jesus e o aceitou, facilmente entende que ele é a realização do projeto de Deus, ou seja, vê em sua ação Deus agindo na história. Quem não aceitou Jesus perde o senso de Deus revelado desde o AT. Como já em Is 6,9-10 os indiferentes se fizeram cegos e surdos, também agora esta indiferença torna impossível receber sua mensagem. Portanto, as parábolas, ou iluminam, ou cegam. Quem se abre ao mestre, cresce na compreensão e terá sempre mais. Quem se fecha, perde até o pouco que tinha. Os discípulos são felizes, pois superam até os profetas que não conheceram a Jesus, uma vez que ele é a chave de compreensão de todo AT (2Cor 3,14b). Pode ser uma resposta ao rabinato farisaico que mais tarde se revela em Jâmnia. Parece que os vv.11-12 e 16-17 sejam de Jesus, porém não estavam ligados a esta parábola, mas a Mt 11,25, já os vv. 13-15 supostamente seriam redacionais.

c) A explicação (18-23): as comunidades primitivas tinham problemas completamente diferentes de Jesus. Elas aplicaram sua palavra ao seu contexto concreto, com isto mudaram definitivamente o ensino original. Agora, o sucesso não depende da semente, como em 1-9, mas dos ouvintes, a qualidade da terra. Cabe o ouvinte se questionar, qual é sua terra (coração). Em 1-9 a adversidade era externa: rejeição a Jesus. Agora ela é interna: a disposição do ouvinte em acolher a palavra. É um apelo para os ouvintes se questionarem. Jesus queria incutir esperança nos discípulos diante das dificuldades (1-9). A Igreja quer incutir boa disposição nos ouvintes da palavra.

 

Relação com Is 55,10-11

O povo está no Exílio da Babilônia. Havia muitas promessas no AT de que Deus sempre estaria com seu povo. Em meio ao sofrimento, os exilados se questionam: teria Deus falhado em sua palavra? O profeta, como mais tarde a parábola de Mt 13,1-9) mostra que, mesmo em meio aos fracassos, deve-se confiar na palavra de Deus. Ela não falha nunca.

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br     [email protected]    facebook.com/estef

Fone: 51-32 17 45 67     Wha

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Cristal

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais