Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
12:00:00
Paz e Bem
12:10:00
 
 

Psicólogo explica os mecanismos emocionais do amor bandido

por Beverli Rocha

Assunto reascende com a personagem da Bibi Perigosa da novela A Força do Querer

Foto: Divulgação

Juliana Paes interpreta a Bibi, personagem da vida real que deu base para a trama da novela. A diferença da ficção para a realidade é que a novela ou o filme termina, mas na vida real, a solução do problema é complicada. Muitas vezes, a própria mulher não admite a situação, sem perceber que, na verdade, trata-se de uma doença. Aliás, engana-se quem pensa que se apaixonar por criminosos é somente o que caracteriza o chamado amor bandido. O problema vai além. 

Segundo o psicólogo clínico Rogerio Camargo de Carvalho, trata-se de um relacionamento doentio, numa união destinada a muitas doses de sofrimento e dependência. O profissional chega a comparar a situação de amor bandido como um "sequestro" emocional.

Para quem acha que o drama acontece apenas na ficção, engana-se. A vida real está cheia de exemplos de amor bandido levado às últimas consequências. No Brasil, um dos mais comentados à época foi o da cantora Simony, que em 2001 casou-se com o ex-presidiário Afro-X, com quem teve dois filhos. Quando se conheceram ele ainda estava preso no Carandiru. 

Nos anos 1980, a jornalista Marisa Raja Gabaglia envolveu-se com o cirurgião plástico Hosmany Ramos, condenado a 21 anos de prisão por assalto e tráfico de drogas. Ele esteve foragido da justiça durante muito tempo, até que em 2009 foi encontrado na Islândia. 

Condenado a 147 anos de prisão, o psicopata Francisco de Assis Pereira, conhecido como Maníaco do Parque, recebeu várias cartas de amor de mulheres que queriam salvá-lo. Casou-se com uma delas. 

Nos Estados Unidos, Evangeline Grant Redding, produtora de TV, escreveu ao preso James Briley, em 1984. Ele havia liderado a audaciosa fuga de seis condenados à morte e ela queria fazer um livro sobre a aventura. Cinco meses depois se casaram numa cela da prisão. 

Em 2001 a alemã Dagmar Polzin viu um cartaz com a foto do norte-americano Bobby Lee Harris, que estava no corredor da morte, sentenciado por assassinato. Ela apaixonou-se pelo assassino, abandonou seu emprego em Hamburgo, na Alemanha, e se mudou para a Costa Leste dos Estados Unidos. 

Rogerio Camargo de Carvalho analisou o fenômeno do amor bandido em entrevista especial ao programa Tua Essência desta quarta-feira. Confira na íntegra.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Alvorada

Enviar Correção

Comentários