Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
14:00:00
Em Alta
18:00:00
 
 

Agricultores de Soledade e região receberam duro golpe na safra 2019/2020

Baixar Áudio por Marcus Vinicius Prates de Souza

Muitos não terão nem a produção para honrar com seus compromissos

Lavoura na comunidade do Pontão da Boa União
Foto: ClicSoledade

Rio Grande do Sul, o terceiro maior estado produtor de soja no Brasil, registrou perdas de aproximadamente 32% na safra 2019/2020, a confirmação veio através da Emater/RS.

Em Soledade, conforme Roger Terra de Moraes, engenheiro agrônomo da Emater, o produtor recebeu um duro golpe com grandes perdas na lavoura e números de produtividade extremamente baixos, em virtude da extensa seca que atingiu o Estado.

Para se ter ideia dos números alcançados no município, a média constatada pelos técnicos que trabalham nas lavouras da região ficou em torno de 22 sacas de soja por hectare, quando a expectativa no plantio era de 60 sacas, a perda ficou próxima de dois terços da produção, impactando no bolso do agricultor e por consequência da economia do município que não terá o dinheiro girando e tocando a economia.

Já a questão do milho a expectativa inicial de plantio era de uma produção entre 100 e 150 sacas por hectare plantado, no entanto a média não foi maior do que 50 sacas, resultando em uma quebra muito grande, significativa, pois ainda produzirá prejuízos secundários, pois o milho é muito usado dentro da propriedade no sustento dos animais e na subsistência familiar.

Mas as perdas não param por aí, a produção do feijão também teve quebra muito grande, de igual maneira a bacia leiteira sofreu grandes danos e prejuízos.

É fato que as perdas foram amplamente distribuídas pelo município, excetuando uma ou outra lavoura nas comunidades da Raia da Pedra, Pontão e Pontão da Boa União tiveram um volume maior de chuvas e uma produtividade um pouco melhor, mas no geral as perdas foram maiores, especialmente para o lado de Mormaço e Espumoso.

Mesmo com as perdas, os produtores esperavam tem um lucro melhor com a venda dos grãos, com a expectativa de receber um valor maior pela saca da soja, no entanto, estes valores não cobrirão as perdas do produtor, pois a maioria destes fez contrato futuro de venda do grão, antes do plantio, a R$ 80 (oitenta reais) e estes não terão nem a produção para honrar o contrato feito antes do plantio, enfatizou o engenheiro agrônomo da Emater.

Para as culturas de inverno, Roger tem entendimento de a área deverá aumentar, na tentativa de amenizar as perdas com as culturas de verão. Trigo e cevada deverão prevalecer nas lavouras da região, porém as pastagens de azevém e aveia deverão ter uma área plantada bem significativa.  

Ouça a entrevista com Roger Terra de Moraes, na íntegra, no player de áudio acima.                  

 

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Cristal

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais