Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
18:00:00
Tua Saúde
19:00:00
 
 

Engenheiro afirma que inspeções regulares atestam a segurança de barragens da CEEE

Baixar Áudio por Camila Agostini

Embora não seja possível descartar quaisquer riscos, estrutura não apresenta anomalias que comprometam a estabilidade dos reservatórios

Após o rompimento de mais uma barragem em Minas Gerais, o debate sobre segurança em reservatórios ascendeu em todo o país. Diferente da estrutura que rompeu na região metropolitana de Belo Horizonte, no Rio Grande do Sul, por exemplo, as represas são, em sua maioria, destinadas à contenção de água, com o objetivo de atender atividades relacionadas a atividades ligadas à irrigação ou geração de energia. Neste último caso, enquadra-se a Barragem do Capingui, com localização no município de Marau, mantida pela Companhia Estadual de Energia Elétrica - CEEE.

Em entrevista à Tua Rádio Alvorada, o engenheiro civil da CEEE, Marcelo Frantz, afirmou que o reservatório utilizado para abastecimento da Usina Hidrelétrica do Capingui é cercado por concreto e, por conta disso, está alicerçado sob sustentação mais resistente que a barragem de Brumadinho. O engenheiro, chefe da Divisão de Instalações de Geração da CEEE é o responsável pela operação e manutenção das usinas e barragens gerenciadas pela companhia. Segundo Frantz, a barragem do Capingui, inspecionada por técnicos da própria CEEE e também pela ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica, não está classificada na categoria risco. Mesmo assim, o engenheiro destaca: “não existe uma estrutura 100% segura". De acordo com Frantz, no entanto, as inspeções são realizadas com a periodicidade exigida e não se constata quaisquer anomalias que comprometam a estabilidade estrutural dos reservatórios em nenhuma das cerca de 21 barragens mantidas pela CEEE.  Ouça a íntegra da entrevista no player de áudio.

A Barragem do Capingui tem capacidade para armazenamento de 58 milhões de metros cúbicos de água. Em Ernestina, a capacidade da estrutura de contenção é de 258,35 milhões de metros cúbicos.

Ao contrário do que ocorre na barragem de Marau, duas barragens gaúchas preocupam as autoridades. Desde novembro de 2018, a atenção está voltada às represas do Capané, em Cachoeira do Sul, e Santa Bárbara, em Pelotas. As estruturas apareceram na lista da Agência Nacional de Águas (ANA) das barragens brasileiras que apresentam comprometimento na estrutura.

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Alvorada

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais