Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
20:00:00
Tua Essência
23:59:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Câmara de Marau se manifesta contra pedágio e prova de vida do INSS

por Ana Lúcia Jacomini

Moções com esses temas foram aprovadas na sessão desta segunda-feira, 26/07

Duas moções foram aprovadas por unanimidade na sessão desta segunda-feira, 26/07, na Câmara de Vereadores de Marau. Uma delas, de autoria dos vereadores Vaguinho Daré e Laércio Zancan, em protesto à cobrança de pedágio na ERS 324, trecho Marau/Passo Fundo, conforme preços apresentados na audiência pública realizada no início do mês, em Marau.

As tarifas médias propostas tem sido de R$ 8,19 para veículos leves, R$ 16,38 para caminhões de 2 e 3 eixos e R$ 32,76 para veículos de 4 ou mais eixos. “Considerando esses valores altos e que temos uma circulação média diária de 10.030 veículos neste trecho, sendo que mais de 70% são de Placas dos Municípios de Marau e Passo Fundo, entendemos que a implantação do pedágio traria mais ônus do que bônus a Sociedade Marauense”, explica o vereador Vaguinho.

A outra moção, de autoria do Vereador Láercio Zancan – Lalá, é em repúdio ao retorno da prova de vida do INSS durante a pandemia, o que obriga os aposentados a irem até uma agência bancária temendo o corte no benefício. “Quem tem mais de 80 até pode solicitar a presença de um funcionário do INSS em sua residência, mas poucos aposentados sabem disso ou dominam a tecnologia para fazer o agendamento pelo telefone 135 ou pelo aplicativo Meu INSS”, explicou o vereador proponente.

A outra opção seria fazer uma procuração, mas isso exige que a pessoa vá até um cartório assinar o documento. “De qualquer forma, há milhões de aposentados com menos de 80 anos que não têm alternativa senão ir a uma agência bancária e enfrentar filas, porque os bancos estão operando com capacidade reduzida. Se o governo não tem sensibilidade, que o Ministério Público ou a Defensoria Pública tomem uma iniciativa para suspender essa exigência até que pelo menos 70% da população esteja vacinada”, conclui Laércio.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Alvorada

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais