Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
00:00:00
Igreja no Rádio
05:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

BRF: granjas de Marau e Vila Maria atuam com certificação internacional de boas práticas

por Camila Agostini

Estão certificadas as propriedades de Antônio Luiz Oneda, em Marau,e Gilmar e Ricardo Bortolon, em Vila Maria

Foto: Divulgação

Celebrado em 28 de agosto, o Dia da Avicultura é uma data especial para a BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo. Neste dia, as homenagens da Companhia se direcionam aos seus mais de 10 mil produtores integrados, que tornam possível levar alimentos à mesa de milhares de pessoas em todo o mundo.  Com uma cadeia ampla, que tem início justamente no campo, a BRF reforça os cuidados e as boas práticas a partir de iniciativas bem-sucedidas ao lado de entidades internacionais, como a Global G.A.P.

No Sul do Brasil, onde a BRF concentra suas principais plantas e produtores integrados, o Dia da Avicultura tem sabor ainda mais especial. Juntos, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná somam aproximadamente 65% de toda a produção nacional de aves do País, segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – grande parte beneficiada pela BRF. No Rio Grande do Sul, um dos destaques está na região de Marau, onde 69 avicultores integrados à BRF trabalham com a certificação internacional Global G.A.P. No Paraná e em Santa Catarina, além da produção de frango convencional, a criação de perus é um dos diferenciais.

Operar sob a certificação Global G.A.P. inclui uma ampla rastreabilidade de todas as etapas da cadeia, análise físico-química da água utilizada, um olhar com atenção ainda maior ao bem-estar das aves, auditorias sem agendamento prévio e se adequar constantemente a atualização de regras internacionais.

“A Global G.A.P é uma certificação internacional de boas práticas agropecuárias em toda a cadeia, com uma série de registros e controles na propriedade. Ela exige que até mesmo matrizes e ovos tenham registros especiais e cuidados específicos. Isto envolve biosseguridade, questões ambientais, bem-estar animal, direito do trabalhador e rastreabilidade completa da cadeia de produção, entre outras ações”, explica Josiane Busatta, gerente de sustentabilidade e bem-estar animal da BRF. 

O número de aves alojadas na instalação, acrescenta a gerente de sustentabilidade e bem-estar animal, deve ser obrigatoriamente 1 quilo a menos por metro quadrado do que o permitido pela legislação europeia, considerada uma referência mundial em bem-estar animal. As aves são alojadas em espaços com controles de água, ração e temperatura e monitoramento da qualidade do ar.

“Essa separação começa nos ovos, que são marcados um a um e transportados em carrinhos diferenciados ao incubatório. Os pintinhos também são cuidados por produtores que passam por treinamento especial e acompanhados por extensionistas específicos”, ressalta Josiane.

Em Marau, a Granja de Aves Matrizes Recria Borella, de Antônio Luiz Oneda, opera desde 2006 com a Global G.A.P, c­­om capacidade de alojamento de 336,4 mil aves.  Celso Adilo de Paula, supervisor da granja, conta que controles implantados desde então permitem acompanhar diariamente o comportamento das aves, a qualidade e disponibilidade de alimento e água, condições de cama, qualidade do ar, itens que contribuem para melhorar o conforto dos animais.

“As aves são acompanhadas por um sistema automatizado que conta também com monitoramento por vídeo, permitindo controles locais e, o mais importante, permitindo que seja feito à distância e de fora da granja”, ressalta o supervisor.

A certificação é exigida especialmente por compradores europeus e só é obtida graças a cuidados que começam em granjas como de Gilmar e Ricardo Bortolon, pai e filho, em Vila Maria, no Norte do Rio Grande do Sul. É de lá que saem anualmente até 6 milhões de ovos, marcados um a um, para que sigam aos cuidados de avicultores treinados dentro das exigências da Global G A.P. 

“Dentro das regras de rastreabilidade, estes ovos são transportados em carrinhos identificados com lote, granja de origem, o núcleo, a semana e até o nome de quem os coletou. Se houver falha em qualquer etapa, todo resto se perde”, conta Vando Zadinello, supervisor da propriedade.

Fonte: Comunicação BRF

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Alvorada

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais