Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
14:00:00
Em Alta
18:00:00
 
 

Subsidio para o 3º Domingo do Tempo Comum - Ano C

estef.edu.br

3º Domingo do Tempo Comum Dia: 23 de janeiro de 2022

Foto: Divulgação

3º Domingo do Tempo Comum

Dia: 23 de janeiro de 2022

Primeira Leitura: Ne 8,2-4a.5-6.8-10

Salmo: 18 B, 8.9.10.15 (R. Jo 6, 63c)

Segunda Leitura: 1Cor 12,12-30

Evangelho: Lc 1,1-4; 4,14-21

 

O Evangelho

No início de seu Evangelho, Lucas oferece um prefácio extremamente denso. Apesar de ser totalmente convencional, a partir dele se pode reconhecer a importância que o autor dá para sua tarefa e sua execução. O prefácio realmente contém a teologia lucana em poucas palavras.

Lc vê muito nitidamente os perigos que ameaçam a comunidade (“o Caminho”), após o desaparecimento dos Apóstolos (cf. At 20,29). Acima de tudo a incerteza doutrinária do período apostólico tardio (dentro da igreja, a coexistência de tradições muito diferentes: a judaico-cristã-palestina e a étnico-cristã-paulina; do lado de fora, as tendências sincréticas helenismo, que tornavam a situação ainda mais delicada) leva Lc a pensar na necessidade de remédios. E, com surpreendente inteligência, ele vê qual meio pode servir: a paradosis (tradição) apostólica, que em sua totalidade alivia as tensões acima mencionadas.

Esta situação nos permite entender a intenção de Lc e seu modo de proceder. É tão óbvio que Lc e seus leitores estão interessados ​​apenas nas peplērophorēmenōn en hēmin pragmatōn (coisas plenamente consumadas entre nós), que não há necessidade de propor tematicamente o conteúdo da escrita (como acontece em At 1,1). Em vez disso, Lc aqui se expressa sobre a meta que ele se propôs (v.4) e sobre o método para alcançá-la (v.3). E apresenta a relação com relatos dos predecessores usados ​​como fonte de tradição (v.1) e, portanto, determina o valor que eles têm como fontes (v. 2). Coleta de forma mais completa possível e expõe a paradosis apostólica normativa para todos os tempos.

Lc sabe bem que a sua diégésis “narração” deve ser distinguida da pregação apostólica. Note-se que ele não chama esta sua diégésis (como Mc 1,1) euaggelion. Em vez disso, este escrito é adicionado como forma de esclarecimento ao ensino eclesial que, de acordo com v.4, apresenta o objeto da fé de forma confiável.

Após uma transição (4,14-15), Lc introduz a visita de Jesus em Nazaré (4,16-21) para enfocar imediatamente a mensagem central do texto, o anúncio da salvação em favor dos pobres e dos marginalizados.

v. 14-15: com este texto a atividade itinerante de Jesus na Galileia vai enfatizar seu ensinamento. Com o mesmo verbo usado antes da tentação (voltou = hypéstrepsen, v. 1 e 14) apresenta o estágio inicial do ministério de Jesus, que aparece sempre sob a ação do Espírito, com quem esteve no Jordão e com o qual foi levado para o deserto.

O tempo do Batista havia acabado; a pregação de Jesus marca o início de um novo tempo, caracterizado pela ação do Espírito. Enquanto João havia pregado no deserto, Jesus se coloca no ambiente próprio do judaísmo, “ensinava em suas sinagogas” (v.15), expressão que destaca sua atividade didática. Ele omite o convite urgente para a conversão, com uma marca apocalíptica, trazida por Mc (1,15). O cerne da pregação de Jesus na perspectiva lucana não era sobre o fim do mundo, mas a proclamação da salvação em favor dos pobres e marginalizados, como emerge no episódio seguinte.

v. 16: “E ele veio a Nazaré ... e entrou ... na sinagoga”. Apesar do aparente caráter biográfico, o acento da história recai sobre seu significado teológico. No entanto, Lc se inspira em reminiscências históricas específicas. Jesus foi criado em Nazaré e a partir do décimo terceiro ano de idade frequentou a sinagoga para a liturgia de sábado. A convite do chefe da sinagoga, qualquer homem adulto poderia falar depois de ler uma passagem das Escrituras. A função litúrgica era realizada da seguinte maneira. Começava-se com a recitação do Shemá (Dt 6,4-9; 11,13-21; Nm 15,37-41); seguia-se a oração das Dezoito Bênçãos (Shemonê Esrê). Era então lida uma passagem da Torá e uma passagem dos Profetas (Haftará), conectada com a primeira leitura. A Torá era lida de acordo com várias seções (parashá), parafraseadas em língua aramaica (targumîm) para torná-la mais compreensível. Jesus adaptou-se a essa prática para falar no contexto da liturgia sinagogal, talvez em uma manhã de sábado.

v.17-19. “E lhe foi dado o livro do profeta Isaías” O livro tinha a forma de um rolo. Jesus o abre e escolhe a passagem de Is 61,1-2a. O texto relatado por Lc corresponde à tradução da LXX e inclui um trecho de Is 58,6: “colocar em liberdade os oprimidos”. Embora em Isaías a passagem citada referira-se ao chamado do profeta pós-exílico (Terceiro Isaías) para transmitir uma mensagem de consolo a Jerusalém, em Lc, mais do que o papel profético de Jesus, é destacado sua função messiânica, como aparece na expressão “ele me ungiu” (echrisen me). De fato, na teofania do batismo (3,21-22), Jesus foi consagrado Messias (ungido pelo Espírito Santo), para anunciar boas novas aos pobres, ou seja, as boas novas da salvação, para proclamar a libertação dos presos e para libertar os oprimidos (Lc 7,18-23). Percebe-se aqui uma alusão ao ano do jubileu (prescrito a cada 50 anos em Lv 25,10), que envolvia a liberação de todos os escravos e a restituição de bens. O acento recai sobre a proclamação do “Evangelho” (Euangelisasthai), cuja eficácia é garantida pela força de Espírito.

No contexto alegre da proclamação da salvação, Lc, após a citação da frase: “ele me enviou ... para proclamar um ano de graça do Senhor”, omite a expressão que segue: “um dia de vingança para o nosso Deus” (Is 61,2b). A intervenção escatológica de Deus para exterminar os ímpios, vem reinterpretada na missão histórica de Jesus, que é salvar, não condenar, ser médico dos enfermos e não juiz para punir os pecadores. Lc usa a passagem de Is para inserir no primeiro discurso de Jesus os temas que mais lhe tocam: o Espírito Santo, a unção messiânica, a libertação escatológica, a alegria, a intervenção de Deus a favor dos pobres e oprimidos, a proclamação do ano da graça. Portanto, parece que em Lc esta perícope desempenha o papel que o sermão da montanha tem na estrutura de Mt: é a magna carta, o programa essencial de seu ministério.

v.21: “Hoje esta Escritura é cumprida em vossos ouvidos”. O início da pregação de Jesus não consiste como em Mc 1,14-15 no anúncio de proximidade do reino, cuja implementação total estava conectada com o julgamento final, mas antes na proclamação do cumprimento das promessas. Sua própria presença representou o hoje da salvação, o cumprimento da Escritura. Jesus com a sua palavra não só anunciou, mas realizou a salvação divina, contida nas promessas proféticas. É por isso que ele afirma que a Escritura é cumprida “em vossos ouvidos”. Essa expressão é um semitismo que significa “para ti que escutas”. A palavra de Jesus se torna um evento salvador, vivo, atual.

O v. final mostra Jesus como o único verdadeiro hermeneuta da Escritura. Podemos relacioná-lo com Ne 8,8: “leram clara e distintamente o livro da Lei de Deus
e explicaram seu sentido, de maneira que se pudesse compreender”.

 

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

www.subsidiosexegeticos.wordpress.com

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br     [email protected]    facebook.com/estef.poa

Fone: 51-32 17 45 67     Whats: 51-991 07 26 40

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio São Francisco

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais