Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
07:00:00
Conectado
09:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Justiça suspende lei que alterou regras para demolição de monumentos, praças e prédios em Caxias do Sul

Baixar Áudio por Isadora Helena Martins

Em dezembro do ano passado, entrou em vigor a lei que ampliou de 50 para 75 anos a idade mínima dos imóveis que não poderiam ser demolidos sem o parecer do Compahc

Foto: Divulgação

A Lei nº 8.589, que alterava de 50 para 75 anos o tempo mínimo para que prédios precisassem do aval do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural (Compahc) para serem reformados ou demolidos está suspensa. Nesta segunda-feira (19), a 2ª Vara Cível da Comarca de Caxias do Sul emitiu decisão favorável a uma ação movida pela Ordem dos Advogados do Brasil-Subseção Caxias do Sul (OAB-Caxias), solicitando a suspensão da lei. A norma estava em vigência desde o dia 28 de dezembro do ano passado, após a sanção do, então prefeito, Flávio Cassina.

Conforme o presidente da OAB Caxias, Rudimar Luiz Brogliato, foi identificada uma falha na reformulação da lei, por isso, a entidade ingressou com uma ação solicitando a suspensão: “Há duas semanas a OAB assumiu a presidência Compahc e nos deparamos com a Lei 8.589, que foi aprovada em dezembro de 2020. Verificamos que essa lei aumentava o prazo para os imóveis que tinham que ser submetidos ao Compahc. Isso causou uma preocupação, porque diversos imóveis da cidade ficariam de fora dessa análise, por exemplo, o prédio da Maesa, então se eventualmente alguém quisesse demolir ele poderia passar sem nenhuma avaliação. O que motivou a ação é que essa lei municipal é uma lei ordinária e esse prazo de 50 anos está na Lei Orgânica do município. Então, para fazer uma alteração na Lei Orgânica é preciso fazer uma Emenda à Lei Orgânica, que prevê uma aprovação de dois terços de vereadores com duas votações intercaladas em 10 dias. Essa lei que nós pedimos a suspensão, era uma Lei Ordinária, aprovada com um quórum simples, que seria de 50% mais um dos vereadores. Por isso dessa ilegalidade, e dentro da missão institucional da OAB, que também é fazer a fiscalização da boa aplicação das leis, a gente entendeu que deveria intervir”.

Ele ainda explicou, durante entrevista à Tua Rádio São Francisco, que esta é uma decisão liminar. Mas, caso haja o entendimento definitivo a lei pode ser anulada.  " Essa decisão é liminar. Pode ainda ter recursos, a Prefeitura por meio da Procuradoria pode apresentar defesa, para só então ter o julgamento. Se o julgamento for favorável à tese da OAB, a lei vai ser invalidada. Por ora, é uma decisão liminar, que está suspendendo a eficácia da lei e suspendendo o tramite de todos os processos administrativos que pediam a demolição de imóveis que estariam nesse prazo de 50 para 75 anos”.

A alteração do artigo 5º, da Lei nº 7.495, que aumentou a idade dos empreendimentos que precisam obter aval do Compahc para sofrerem interferências, foi uma proposta do, então vereador, Adiló Didomenico, hoje, prefeito de Caxias do Sul. Questionada sobre a possibilidade de recorrer da decisão, a Administração Municipal respondeu: “Por meio da Procuradoria Geral do Município, informamos que o município está ciente do ajuizamento da ação, contudo, fará a análise detalhada do teor da decisão tão logo seja citado”.

Confira mais detalhes em “Ouvir Notícia”.

 

 

 

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio São Francisco

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais