Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
12:10:00
No Ponto
14:00:00
 
 

Pequena história

Gislaine Marins


O grande discurso deve prever palavras grandes: inconstitucionalissimamente.
O grande discurso deve conter palavras comoventes: vai (sic) morrer alguns inocentes, mas tudo bem.

O grande discurso deve transformar grandes erros em grandes excepcionalidades.

O grande discurso deve prever uma pausa para o público ficar atônito e depois reelaborar o que ouviu. Um eco repetirá no enorme salão: mas tudo bem, mas tudo bem, mas tudo bem. Em seguida, uma flatulência retumbante marcará o fim do prelúdio.

O grande discurso retomará com vigor o controle da plateia ao lembrar os grandes temas que unem a nação: o amor, as praias, o futebol. E lançará um convite ao mundo, para que venham comprovar o que diz o grande líder. Os estrangeiros não deverão mais pagar pelo visto, anuncia o grande orador. E poderão vir pela beleza das nossas... árvores. Digo, das nossas aves.

O grande discurso deve converter grandes lapsos em grandes oportunidades.

Em seguida, o grande líder mudará o ritmo do grande discurso, em tom de descomunal ameaça: as nossas florestas são a virgem que todo povo quer, mas não vai levar!

O grande discurso deve pressupor um momento de grande poder e, após a declaração contundente, o grande líder dará um murro no púlpito, para mostrar quem é que manda.

Nesta altura, as pessoas incontroladas irão ovacionar o grande discurso do grande líder. Será uma apoteose.

Um cronista dissidente irá escrever que houve um espetáculo deprimente. Será acusado de envolvimento em um esquema de corrupção, julgado, condenado, preso e relegado ao esquecimento.

O grande líder seguirá circulando pelo mundo, difundindo as suas boas-novas, sendo aplaudido e triunfando inconteste por todos os lugares. E assim, por mão do seu salvador, o grande país do grande líder que realiza grandes discursos será reconhecido finalmente como o farol do novo mundo, da nova era, do novo homem, de todas as grandes, enormes, gigantescas, incomensuráveis grandezas da humanidade nova.

 

Sobre o autor

Gislaine Marins

Doutora em Letras, tradutora, professora e mãe. Autora de verbetes para o Pequeno Dicionário de Literatura do Rio Grande do Sul (Ed. Novo Século) e para o Dicionário de Figuras e Mitos Literários das Américas (Editora da Universidade/Tomo Editorial). É autora do blog Palavras Debulhadas, dedicado à divulgação da língua portuguesa.

(gis.marins[email protected])

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais