Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
09:00:00
Vida
10:00:00
 
 

Setor primário: Pasini apresenta o programa ProJovem Rural

por Eduardo Cover Godinho

Em seu sétimo mandato consecutivo, vereador progressista busca proporcionar maiores incentivos aos jovens empreendedores da zona rural

Representante do povo, que está há sete mandatos no legislativo, acredita na aprovação e colocação em prática da proposta
Foto: Divulgação

O êxodo rural, migração dos agricultores do campo em busca de melhores condições de sustentabilidade na zona urbana, preocupa as autoridades governamentais. Há pouco mais de uma década, o número de produtores rurais que largaram a vida e o ganha pão na roça para tentar algo melhor nos grande/médios centros cresceu vertiginosamente pela falta de políticas públicas para o setor. O meio rural, principalmente com a saída dos jovens que encontram facilidades para o seu dia a dia – principalmente com o avanço da comunicação, envelheceu. Porém, não deixou de produzir e colocar o alimento na mesa da população.

A migração foi sentida também em Guaporé. São pouco mais de 600 famílias – aproximadamente dois mil habitantes – que ainda vivem na área rural. Apesar do baixo número de habitantes, a produção segue em alta e representa cerca de 25% da economia municipal. A mecanização, a proximidade com zona urbana e a diversificação nas culturas – com apoio do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR), secretaria da Agricultura, EMATER e outras associações - fazem com que os produtores sigam trilhando o caminho.

Buscando qualificar e incentivar os jovens a permanecerem no campo, o vereador Adílio Antônio Pasini (PP) apresentou no Poder Legislativo, durante os trabalhos da sexta sessão ordinária, o Programa de Incentivo ao Jovem Empreendedor Rural (ProJovem Rural). O objetivo é aumentar a produção, visando a elevação da renda da família produtora rural e fortalecer as iniciativas diferenciadas para o setor. Segundo a proposta, serão contemplados com incentivos fiscais (reembolso de até 15% das parcelas pagas referentes ao financiamento de empréstimo rural contratado), jovens empreendedores residentes em Guaporé com idade entre 18 e 33 anos que preencherem alguns requisitos. Entre eles destacam-se: talão produtor rural; ter projeto aprovado junto a Emater; ter aprovação do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural de Guaporé (COMDERG); apresentar Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP); apresentar projeto de engenharia civil, ambiental e sanitário, quando necessário; e não possuir débitos com o Município.

“Esse projeto nasceu durante um encontro do SindiLeite em Porto Alegre no ano de 2015. Debati junto com o Perin (Emater), a Jane (Emater) e o Salvagni (ex-secretário da agricultura) a possibilidade de colocarmos em prática alguma ação em benefício dos jovens em Guaporé. Depois de um bom tempo de análise e encontrando a melhor solução, apresentei a proposta na Câmara de Vereadores e está nas mãos dos colegas e do prefeito Fabris a colocação do mesmo em prática. Buscamos colaborar com aqueles jovens que querem permanecer no campo e ter participação direta na produção primária e na agroindustrial. Será, se aprovado e sancionado pelo Governo Municipal, um divisor de águas para o setor primário de Guaporé”, afirmou Pasini, que há sete mandatos defende povo no Legislativo.

Os jovens produtores rurais, assim que tiverem seus projetos aprovados e/ou buscam a aquisição de um terreno até o valor de R$ 100 mil, receberão incentivo de parte das despesas decorrentes do financiamento através do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf Investimento – Linha Mais Alimento), contratado pelo Jovem Empreendedor Rural. Os valores pagos serão limitados a 1.000 VRM (s) (valor do VRM R$ 99,98) para cada projeto. São válidas atividades que compreendam novos empreendimentos produtivos com características inovadoras e/ou ampliação de empreendimentos existentes.

“Espero que o prefeito Fabris coloque em prática. Acredito que ele, juntamente com a sua equipe de Governo, não vai rejeitar a proposta. Talvez efetue algumas mudanças, mas para o bem dos jovens empreendedores. O objetivo, que debatemos com entendedores do meio rural durante cerca de dois anos, é formar empreendedores e torná-los produtores de sucesso, modernizando cada vez mais a produção. Quando possível, queremos alinhar as cadeias produtivas estimulando os processos agroindustriais com incentivo ao abastecimento da cidade com gêneros alimentícios primários, semi processados e agroindustrializados de primeira necessidade”, disse.

Segundo Pasini, o beneficiado com o ProJovem Rural que deixar a atividade no setor primário perderá o benefício.

Central de Conteúdo Unidade Aurora

Enviar Correção

Comentários