Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
 
 

Projeto Escola Lixo Zero angaria fundos para Cristóvão de Mendoza conseguir internet para os alunos

Baixar Áudio por Rodrigo Fischer

Em um mês, foram arrecadados cerca de R$ 800 a fim de comprar um roteador WIFI para o bloco C da escola

Foto: Rodrigo Fischer/Divulgação

O projeto Escola Lixo Zero tem a ideia de usar resíduos como forma de conseguir recursos para melhorar a infraestrutura de instituições de ensino. A primeira parada da iniciativa foi no Instituto Estadual Cristóvão de Mendoza, ainda em agosto deste ano. Em um mês, os resultados já vieram. O colégio arrecadou R$ 882,36, que foram investidos na compra de um roteador de internet que faltava nas salas de aula do bloco C.

A diretora da escola, Roseli Bergozza, conta que a escolha em onde seria investido o montante foi de forma democrática. Os próprios alunos puderam selecionar qual era a prioridade no momento. Para ela, a internet é um instrumento pedagógico que ajuda no acesso a pesquisas informativas para um trabalho escolar. “A internet é importante porque é na escola que o aluno aprende a acessar sites que são confiáveis. Muitos professores utilizam a pesquisa como instrumento de pedagogia. Além do data show, que conectado a internet permite que determinados sites sejam acessados.”, coloca.

Os estudantes também se mostraram interessados com o projeto. A iniciativa da OSucateiro.com registrou que, no decorrer do mês, o engajamento subiu 693% entre os alunos, impactando na taxa de reciclagem que foi de 60%, maior que a média nacional. Essa grande participação ocorreu porque a escola e a startup trabalharam em gincanas semanais, que envolvem arrecadar o máximo de resíduos, como tampinhas e latinhas, para uma pontuação exibida nas redes sociais do Cristóvão. Ao final de cada semana, a turma que mais arrecada ganha um troféu. Roseli afirma que os professores possuem um papel essencial para potencializar o interesse do estudante. “Os professores têm um papel muito importante: de convencer os alunos a participarem. Eu também acho que os estudantes se sentem motivados por causa da competição e da premiação. E por que não premiar? É um esforço deles e um dinheiro voltado para eles.”, avalia.

Mais recurso e menos gastos

O Escola Lixo Zero ainda auxiliou na economia das contas públicas. A Prefeitura de Caxias do Sul economizou R$ 277,26. O idealizador do projeto, Rafael Valentini, explica que a economia ocorre uma vez que o lixo retido no colégio permanece no local de origem, o que forma uma cadeia produtiva interna, com isso, o Executivo poupa gastos no deslocamento do caminhão da Codeca e no trabalho da destinação final dos resíduos. Ele coloca que é graças à compostagem, conhecida como reciclagem dos resíduos orgânicos. “Com isso, a gente consegue fazer com que volte para a cadeia produtiva, fazendo aquele valor gerado no primeiro mês e com que a Prefeitura não precise operar os resíduos.”, finaliza.

Até o final do ano, Valentini estima que o Cristóvão de Mendoza receba R$ 10,5 mil com a reciclagem do lixo e gere uma economia de R$ 3.300 para o Município de Caxias do Sul. Entre pintura da escola, troca de classes e cadeiras quebradas, a diretora Roseli afirma que a verba, no futuro, vai ajudar na compra de novas janelas para o espaço. “A gente pensa em espaços de lazer para os estudantes, com mesa e jogos. Mas, temos uma vontade muito forte de arrumar as janelas da escola. Talvez é algo que será solicitado, dependendo da escolha dos estudantes.”, revela

O projeto Escola Lixo Zero foi criado pela startup OSucateiro.com, em agosto desse ano, com o objetivo de conscientizar os estudantes sobre a separação dos lixos. No Cristóvão, como parte da ideia, foram construídas 360 lixeiras, um local para compostagem e uma central que recebe os resíduos separados.

(Ouça a matéria na aba "Ouvir notícia' abaixo do título)

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio São Francisco

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais