Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
12:10:00
No Ponto
14:00:00
 
 

Mutirão contra dengue será realizado em Lagoa Vermelha

por Rudimar Galvan

O objetivo é levar orientação a população

A Secretaria Municipal de Saúde reuniu os agentes comunitários de endemias e de saúde na tarde desta terça-feira (20), afim de organizarem um mutirão que será realizado em todos os bairros de Lagoa Vermelha. O roteiro que ainda está sendo estabelecido será divulgado em breve e contará com a atuação de mais de 30 profissionais.

O objetivo é levar orientação a população. Conforme o painel de dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), o município tem um caso confirmado da doença e outro em investigação. Desses, um é autóctone, ou seja, foi contraído dentro da cidade.

As atividades serão desenvolvidas diretamente na prevenção aos focos do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue. Para isso, serão adotadas medidas de verificação de pátios e locais propícios para a formação de criadouros, sendo intensificadas essas orientações junto aos moradores do Município.

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), vinculado à Secretaria da Saúde, confirmou na última terça-feira (20), o quinto óbito por dengue no Rio Grande do Sul.

Trata-se de uma mulher, de 75 anos, com comorbidades, residente em Tenente Portela. O óbito ocorreu no último dia 16. Esse município apresenta o maior número de casos confirmados no RS até então. 

Até o momento o Estado apresenta circulação do sorotipo DENV1 e DENV2.

A Secretaria Municipal de Saúde reforça a importância de que a população procure atendimento médico nos serviços de saúde logo nos primeiros sintomas. Dessa forma, evita-se o agravamento da doença e a possível evolução para óbito.

Principais sintomas:

-febre alta (39°C a 40°C), com duração de dois a sete dias,

- dor retro-orbital (atrás dos olhos);

-dor de cabeça,

-dor no corpo,

-dor nas articulações,

-mal-estar geral,

-náusea,

-vômito,

-diarreia,

-manchas vermelhas na pele, com ou sem coceira.

Medidas de prevenção à proliferação e circulação do Aedes, com a limpeza e revisão das áreas interna e externa das residências ou apartamentos e eliminação dos objetos com água parada são ações que impedem o mosquito de nascer, cortando o ciclo de vida na fase aquática.

O uso de repelente também é recomendado para maior proteção individual contra o Aedes aegypti.

Situação epidemiológica

Neste ano, o RS registra 5.208 casos confirmados da doença, sendo 4.555 autóctones, que é quando o contágio aconteceu dentro do Estado, com os demais sendo importados (residentes do RS que foram infectados em viagem a outro local).

Em 2023, foram mais de 34 mil casos autóctones. Ao todo, foram 54 óbitos em virtude da dengue no ano passado.

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Cacique

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais