Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
08:00:00
Missa Dominical
08:50:00
 
 

Subsídios Exegéticos - Liturgia Dominical Ano A

por João Carlos Romanini

Dia: 14 de junho de 2020

Foto: Divulgação

Subsídios Exegéticos - Liturgia Dominical Ano A

Dia: 14 de junho de 2020

XI Domingo do Tempo Comum

Evangelho: Mt 9,36-10,8

Primeira Leitura: Ex 19,2-6a

Segunda Leitura: Rm 5,6-11

Salmo:  100

 

Mt 9,36-10,8

Situando o Texto

O presente texto é estratégico, como um elo de ligação entre Mt 8-9 que mostram os sinais do Reino (milagres) e Mt 10 que trata da missão.

A compaixão que Jesus (Mt 9,36) já se constata antes, ao fazer curas (Mt 8-9) e traduz a compaixão de Deus pelo povo (Is 45,15). Mas agora ela é expressa em palavras diante da omissão dos líderes de seu tempo, como também já atestado no AT (Lv 27,27; 1Rs 22,17). No AT os líderes não cuidavam do povo, preocupados, apenas com seus interesses (Ez 34; Zc 10,2). Já então, Deus é visto como o pastor do povo (Sl 23). Agora, Jesus assume esta perspectiva da compaixão de Deus. A compaixão de Jesus pelo povo sofrido, continua na ação de seus seguidores. Aos Doze, o novo povo de Deus, ele confere os mesmos poderes de realizar as suas obras: curas, exorcismos, ressuscitar mortos. Tudo isto, com os critérios de então, significa lutar contra o mal, contra as situações de morte. A palavra vem acompanhada da ação. Jesus instaura o Reino pela sua ação e pregação. Agora cabe aos discípulos continuar esta missão, que brota da compaixão para com os sofredores: leprosos, paralíticos, possessos, etc. que são as situações concretas vividas pelo povo, e que seus seguidores devem continuar. A compaixão de Deus, se realiza em Jesus e agora se expressa na missão dos discípulos, que assumem o lugar dos guias do povo, que falharam. Assim na pessoa de Jesus e dos seus seguidores, realiza-se o verdadeiro projeto de Deus revelado ainda no AT.

Doze é número simbólico, lembram as doze tribos de Israel, portanto, são o novo povo de Deus (cf. Mt 19,28) e por isto mesmo, assim como as doze tribos eram todo Israel, aqui também, os “Doze” não se refere apenas a um pequeno grupo, mas a todos os membros do novo povo de Deus.  Nem tampouco se quer dizer que os Doze receberam poderes extraordinários de cura, simplesmente que eles, isto é, todos, devem lutar contra as situações de morte e sofrimento que afligem o povo, como vem sonhado para os tempos messiânicos (Is 42,18). Como “Doze” é totalidade, significa que todo discípulo e discípula têm esta missão. Entre eles há pescadores, cobrador de imposto, zelote e até um traidor. Classes impossíveis de conviver no antigo povo. No novo povo tudo isto é possível. Doze quer dizer todos, bons e maus. O novo povo de Deus não é formado por perfeitos.

Pedir ao Senhor da Messe o envio de operários não é sinônimo de despertar vocações sacerdotais ou religiosas. Nem é convencer Deus da necessidade de mandar operários. Mas é convencer todas as pessoas a assumir a missão de Jesus. Para isto, sim, precisa de oração.

Tem algo estranho no texto: a proibição de ir à Samaria. Seria isto um sinal de racismo? Não. Trata-se de ir aos pobres, abandonados e sem pastor, conforme se lê em Nm 27,27; ou seja, eram os que estavam sem pastor (Ez 34). Por isto, a missão começa pelos últimos, onde mais precisa. Reflete também a comunidade de Mateus, que inicialmente só evangelizava judeus (10,5s; 15,23s), mas que depois se abre a todos os povos (Mt 28,19). Na caneta de Mateus, o procedimento de sua comunidade já foi praticado por Jesus. Quem se sentiu agraciado e despertou para a missão, de graça se põe a caminho.

Resumindo:

Mt 9,36-38: tudo brota da compaixão (Ex 3,7; Ez 34; Zc 10,2).

Mt 10,1.8a: chama os Doze e lhes dá poder contra o mal. A comunidade cristã recebe o poder de dar continuidade à obra de Jesus.

Mt 2-6: todos, bons e maus são destinados ao povo sem pastor, devido aos maus líderes de Israel.

Mt 7.8b: o anúncio e a ação acompanhado de sinais são gratuitos.

Relação com Ex 19,2-6a

Deus, pela sua misericórdia, ouviu o clamor do povo no Egito (Ex 3,7). Agora, já livre, preparando-se para a Terra Prometida, Deus o consagra como um reino de sacerdotes (v.6). Está aqui o chamado, que mais tarde Jesus fará aos Doze, para continuar a compaixão de Deus na história.

 

 

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br     [email protected]    facebook.com/estef

Fone: 51-32 17 45 67     Whats: 51-991 07 26 40

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Cacique

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais