Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
07:00:00
Conectado
09:00:00
 
 

O aumento da taxa básica de juro e o reflexo no contexto local

por Ana Lúcia Jacomini

Este foi o tema de Rodrigo Ferneda no comentário desta semana

A taxa básica de juros, conhecida como a Selic, apresenta elevação em momentos de dificuldade de acesso ao crédito, desemprego, endividamento das famílias, situação esta, que nos deparamos atualmente. Com uma taxa mais alta de juros, o Banco Central tem poderes de controlar o crédito e o consumo, com o objetivo de segurar a inflação.  Por outro lado, ao tornar o crédito e o investimento mais caros, os juros aumentam e prejudicam o desempenho das atividades econômicas e também, impacta na geração de empregos, como por exemplo, é o caso do setor do comércio e da indústria de transformação aqui no município, com base no Ministério do Trabalho e Emprego.  

Em um período de resseção como o atual, uma das possibilidades na gestão do Banco Central, para conter a inflação, seria necessária atuar em parceria com a política monetária - alta dos juros e com a política fiscal - controle de gastos públicos. Se a política fiscal não for devidamente realizada, fica uma força contraditória com a política monetária, e vice-versa. Uma das consequências básicas do aumento da taxa básica aumentam as demais taxas, como por exemplo, o cheque especial, crédito pessoal, cartão de crédito, o que de certa forma interfere diretamente no consumo das famílias e na atividade economia das empresas.

Nesse sentido, é possível perceber que aumentar os juros diante de uma recessão econômica, provoca efeitos maiores, pois aumenta o risco de endividamento, tanto de empresas como do consumidor devido à redução da renda do poder de compra, redução de investimentos, que consequentemente gera retração da atividade econômica dos setores na economia. A expectativa é saber como se comportará o cenário no ano de 2015, visto que ainda alguns setores como a construção civil e do agronegócio estão mantendo a economia devido à participação do poder público em interferir na oferta de financiamentos e em complemento existir demanda suficiente do consumidor movimentando assim o mercado.

No cenário local, diante do aumento das taxas de juros, penaliza principalmente às micro e pequenas empresas que empregam 45% da mão de obra do município conforme o Ministério do Trabalho, num total 1.177 estabelecimentos. Destas 424 empresas enquadram-se como comércio varejista e 171 indústrias de transformação, sendo estas os setores que mais apresentaram demissões no primeiro semestre de 2015 – Ministério do Trabalho - . Desconsidera-se nessa análise a indústria da construção civil, a qual apresenta saldo positivo até o momento em número de empregos, porém, não se isenta de uma futura banalização das altas das taxas de juro.

            Com o aumento dos juros, estas micros e pequenas empresas tomam empréstimos com valores mais altos e com prazo mais curto – capital de giro, desconto de cheques, etc - pois as mesmas apresentam vantagens financeiras limitadas em relação às empresas de grande porte. Destaca-se a importância que o aumento das taxas de juro não é repassado ao preço, mas sim para a margem de lucro final. Outro ponto que a taxa Selic reflete é na redução de lucro devido à inadimplência, e como citado em outros comentários que a economia é cíclica, as empresas que sofrem impacto da inadimplência dos clientes, podem gerar calote para outras empresas fornecedoras, interferindo nos resultados de toda a cadeia produtiva.

            Outra preocupação é o encerramento das atividades dessas empresas, o que de certa forma retrai o crescimento do município, bem como do Estado e Nação, e principalmente, compromete a vida de muitas famílias que dependem do trabalho, para o auto sustento, gerando um grave problema social no futuro nessa circunstância que não apresenta sinais de melhoria em curto prazo.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais