Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
19:00:00
A Voz Do Brasil
20:00:00
 
 

Brasil é pioneiro na produção de embriões sem laboratório

por Andressa Boeira
Tifoi: a diferença entre os bezerros da raça gir e o que nasceu da mesma ovuladora da raça nelore
Foto: Cláudia Bezerra/Divulgação

O Brasil é primeiro país do mundo a desenvolver técnica de produção de embriões sem uso de laboratório. Denominada transferência intrafolicular de ovócitos imaturos (Tifoi), a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (DF) apresentou a tecnologia dia 29 de dezembro de 2016.
Trata-se de uma biotécnica que apresenta todas as vantagens da fecundação in vitro (FIV) com um benefício adicional: o fato de não precisar de laboratório para ser realizada. Os criadores podem obter os embriões com a mesma rapidez e agilidade da FIV, ou seja, em torno de um bezerro por semana a partir de uma única vaca doadora, sem precisar sair da sua fazenda.

O Brasil é o primeiro a obter êxito realizando a Tifoi de maneira completa. Há apenas um relato de sucesso no uso da técnica na Alemanha. No entanto, o experimento europeu utilizou laboratório no decorrer do processo, o que torna o resultado incompleto. O desenvolvimento da Tifoi brasileira obteve nascimento de três bezerros na Fazenda Sucupira, campo experimental da Embrapa localizado em Brasília (DF).

O sucesso gerou o registro da marca junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). A FIV é hoje a biotécnica mais utilizada no melhoramento genético animal no Brasil, pela capacidade de aumentar o número de descendentes de uma vaca em menos tempo.

Para se ter ideia da potencialidade das biotécnicas reprodutivas de maior impacto utilizada na pecuária global, pode-se estimar que a inseminação artificial (IA) permite a obtenção de um bezerro por ano; a transferência clássica de embriões (TE), um por mês; enquanto a FIV é capaz de produzir um bezerro por semana.

País é líder mundial na fertilização in vitro

A técnica de fertilização in vitro (FIV) representa, segundo a pesquisadora da Embrapa Margot Dode, avanço significativo em relação às outras biotecnologias. Por isso, não é à toa que é a mais usada no Brasil hoje. O país é líder mundial na produção de embriões bovinos, com 450 mil dos 600 mil embriões produzidos mundialmente.

Embriões produzidos in vitro são aqueles obtidos fora do organismo materno, em condições laboratoriais. Nesse processo, os ovócitos (óvulos) são aspirados antes do tempo, ainda imaturos, e depois, são maturados e fecundados em laboratório. Sete dias depois são transferidos para as vacas receptoras, ou mães de aluguel.

Uma das desvantagens dessa técnica é que os embriões produzidos em condições de laboratório possuem qualidade inferior à dos embriões produzidos no organismo materno e, portanto, são menos resistentes ao congelamento sendo muitos deles incapazes de manter a gestação.

E é justamente nesse ponto que reside a maior vantagem da Tifoi. O processo todo é feito dentro do próprio animal. Grosso modo, a vaca é o laboratório. Os óvulos são aspirados da mesma maneira que na FIV, mas em vez de maturados em laboratório, são cultivados dentro do corpo de um animal (ovuladora), aproveitando o seu processo reprodutivo natural. Depois da ovulação, os óvulos são fecundados por inseminação artificial (IA).

Sete dias depois, os embriões que se desenvolveram são coletados e transferidos para a vaca receptora (barriga de aluguel), semelhante ao que ocorre na transferência clássica de embriões. “Além dos embriões serem produzidos naturalmente no trato reprodutivo da fêmea, a técnica dispensa todos os componentes de laboratório”, detalha Margot.

Todo o processo se dá de forma natural, aproveitando os eventos fisiológicos da vaca ovuladora, o que imprime mais qualidade aos embriões. “Além disso, por dispensar a necessidade de laboratório, diminui significativamente os custos finais de produção”, complementa a pesquisadora. Em resumo: mantém todas as vantagens da FIV e elimina as desvantagens.

 

Desenvolvimento da Tifoi

O grande diferencial da técnica é que todo o processo é feito dentro de uma vaca, dispensando o uso de laboratório. Os embriões transferidos foram de uma vaca gir. A vaca utilizada como "laboratório" foi uma nelore. Daí a diferença. A pesquisadora responsável pelo desenvolvimento da técnica, Margot Dode, transferiu os embriões da gir e aproveitaram o ciclo reprodutivo da nelore. 

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais