Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
07:00:00
Conectado
09:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Criação de empregos formais marcou o mês de outubro em Veranópolis

por Cida Cardoso Valna
Foto: Divulgação

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados pelo IBGE na última terça-feira (30), a taxa de desemprego atingiu 12,6% no terceiro trimestre deste ano, o que significa queda de 1,6 ponto percentual na comparação com o segundo trimestre de 2021. O número de pessoas em busca de emprego no país recuou 9,3% e, com isso, chegou a 13,5 milhões. Os ocupados tiveram um crescimento de 4%, alcançando 93 milhões de pessoas.

No acumulado do ano foram criados 2,6 milhões de empregos no país, motivados majoritariamente pelos Serviços, que foram responsáveis por 1,1 milhão de vagas criadas no período. Os últimos 12 meses apresentaram resultado positivo, influenciado principalmente pelos setores de Serviços e do Comércio, que criaram 1,2 milhão e 704,5 mil empregos, respectivamente.

Somente no mês de outubro, de acordo com a Carta do Mercado Formal de Trabalho divulgada pelo Observatório do Trabalho da Universidade de Caxias do Sul, no Brasil, foram abertos 253,1 mil empregos formais, sendo a maior parte das contratações nos Serviços. O Rio Grande do Sul criou 19,5 mil postos de trabalho, grande parte no Comércio.


Dados regionais

Na região de abrangência da UCS, Caxias do Sul foi o município que mais gerou vagas formais, com criação de 920 empregos, sendo a maioria na Indústria. Vacaria, Canela, Torres e Bento Gonçalves completaram o posto das cinco cidades que mais geraram vínculos empregatícios no mês. O saldo positivo da região reflete a retomada econômica, em que, na maior parte das cidades, os níveis de criação de empregos estão se aproximando dos patamares pré-pandemia, sobretudo na Indústria, no Comércio e nos Serviços.

Guaporé registrou 318 admissões e 297 desligamentos, resultando em 21 empregos formais criados, representando um acréscimo de 0,29% dos postos formais. Dessa maneira, o município contou com um estoque de 7,3 mil empregos formais. O resultado positivo foi influenciado principalmente pelos setores de Serviços e do Comércio, que abriram 16 e 15 vagas no período, respectivamente. Apesar do resultado positivo, os setores da Indústria e da Construção apresentaram fechamento de vagas, com cinco postos encerrados cada.

Já em Nova Prata, houve 272 admitidos e 250 desligados, resultando na criação de 22 empregos formais, representando um acréscimo de 0,28% dos postos. Nesse sentido, a cidade contou com um estoque de aproximadamente oito mil postos formais. Os setores que mais influenciaram o saldo positivo foram o Comércio e os Serviços, com a abertura de 19 e 18 empregos formais, respectivamente. Já os setores da Construção e da Indústria apresentaram resultado negativo no período, com 14 e 2 vagas encerradas, respectivamente.

O município de Veranópolis registrou 294 admitidos e 235 desligados, resultando em 59 empregos formais abertos, representando aumento de 0,80%. Nesse sentido, a Terra da Longevidade contou com um estoque de 7,4 mil empregos com carteira assinada. O setor que mais influenciou a performance positiva do mês foi a Indústria, que criou 49 empregos. O único setor a apresentar mais demissões que admissões no período foi o Comércio, com oito vagas encerradas.

No acumulado do ano houve 602 empregos criados, aumento de 8,14%, sendo grande parte pertencente à Indústria, que teve 461 postos abertos, aumento de 10,97%. Nos últimos 12 meses foram registrados 567 novos empregos na cidade,  aumento de 4,13%, e a Indústria também foi o principal setor responsável pela criação de empregos no período, com 442 novas vagas

Para os próximos meses, a expectativa é de continuação do saldo positivo, a ser impulsionado pelo aumento das contratações de final de ano com os empregos temporários. No entanto, vale destacar que as pressões inflacionárias e o aumento da taxa básica de juros podem contrair a atividade econômica.

Os dados da Carta são extraídos da base de dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia (ME).

Acesse o documento completo: https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/carta-outubro-2021_2.pdf

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Veranense

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais