Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
00:00:00
Igreja no Rádio
05:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Polícia Civil investiga morte de mulher após cirurgia em hospital de Carazinho

por Edinei Bernardelli

Segundo o Cremers, a investigação é sigilosa

Foto: Reprodução/Facebook

A morte de uma mulher após passar por uma cirurgia para a retirada de um tumor benigno no útero, está sendo investigada pela Polícia Civil de Carazinho.

Rosemar Leal da Silva, de 48 anos, deu entrada no Hospital de Caridade de Carazinho no dia 25 de janeiro, para remover um mioma no útero. Três dias depois, no entanto, ela morreu.

A família suspeita que um erro médico tenha acontecido durante a cirurgia. Tanto o laudo médico quanto o atestado de óbito apontam que o intestino de Rosemar foi perfurado.

A direção do hospital informou, que o caso está sendo analisado pelo corpo clínico da instituição e que todas as documentações necessárias para a apuração do caso estão disponíveis para a polícia.

A Polícia Civil analisa os elementos colhidos até o momento, segundo a delegada Heladia Ane Zanchet Cazarotto. "Por enquanto, a gente solicitou alguma documentação, alguns documentos ao hospital, e com a análise dessa documentação a gente vai aguardar também o resultado da exumação e veremos se realmente houve algum erro, alguma negligência por parte dos médicos que atenderam a vítima. Eles poderão responder por homicídio culposo".

Para a advogada da família, Juliani Pinzon, pode ter havido negligência e imprudência. "No caso dela, a gente percebe a imperícia quando em um procedimento cirúrgico ela teve o intestino perfurado. No pós-operatório imediato, a gente percebe uma conduta negligente e imprudente, quando todas as vezes que a paciente relata à médica assistente que ela estava com muitas dores, com a barriga dilatada, com rigidez. Com diversos sintomas agravando o caso dela", afirma.

"A médica deixa de adotar uma conduta de resolução, de reavaliar a paciente. De pedir um novo exame que se constatasse o que de fato estava acontecendo", acrescenta a advogada.

A família entrou na Justiça, que determinou a exumação do corpo três dias após o sepultamento. Ainda não há a previsão de quando o resultado vai ser divulgado.

A advogada da família também denunciou o caso ao Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), que abriu uma sindicância para investigar o que aconteceu.

Segundo o Cremers, a investigação é sigilosa.

Fonte: G1

Central de Conteúdo Unidade Sarandi

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais