Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
00:00:00
Igreja no Rádio
05:00:00
 
 

Projeto da ponte sobre o rio Guaporé não é aprovado pela bancada gaúcha

por André Fabio Bresolin

Apresentada pelo prefeito Valdir Fabris em Brasília, proposta não receberá recursos em 2020

Condutores têm de procurar rotas alternativas para o deslocamento
Foto: Divulgação

A luta pela construção da nova ponte sobre o rio Guaporé, na divisa entre os municípios de Guaporé e Anta Gorda, continua. Mais um capítulo da novela que se arrasta por três décadas teve um desfecho insatisfatório para aqueles que necessitam de melhores condições para o escoamento da produção primária e comercialização de produtos, desenvolvimento do turismo, encurtar distâncias entre as regiões e o simples deslocamento entre as cidades. O projeto, apresentado pelo prefeito Valdir Fabris (Guaporé) durante a maior reunião da bancada gaúcha (Deputados Federais e Senadores) realizada no dia 24 de setembro em Brasília, não receberá recursos parlamentares em 2020. São R$ 247,6 milhões de emendas impositivas à disposição.

Os deputados e senadores, conforme Claudete Andrade – uma das batalhadoras para que a obra avaliada em aproximadamente R$ 3,2 milhões saia do papel, escolheram como prioridades o repasse de recursos para: BR 116 - Porto Alegre a Pelotas (R$ 12,1 milhões); BR 290 - Porto Alegre a Pântano Grande (R$ 11,1 milhões); BR 285 - São José dos Ausentes a Santa Catarina (R$ 10 milhões); Travessia Urbana de Santa Maria (R$ 10 milhões); Ponte Internacional Porto Xavier a San Javier na Argentina (R$ 10 milhões); Saúde - Custeio Média e Alta Complexidade (R$ 83,1 milhões); BR 116 Norte - Porto Alegre a Novo Hamburgo (R$ 8,06 milhões); Agricultura - Máquinas Pesadas e Máquinas Agrícolas (R$ 41,04 milhões); Acessos Asfálticos - Municípios Sem Asfalto (R$ 18,5 milhões); Institutos Federais - IFRS - IFSUL – IFFAR (R$ 12,1 milhões); Hospital Palmeira das Missões (R$ 1,5 milhão); Segurança Pública - Viaturas e Equipamentos (R$ 12,4 milhões); Universidades Comung - Parque Científicos e Incubadoras Tecnológicas (R$ 5,06 milhões); Uergs - Pesquisa e Instalações (R$ 5,2 milhões); Aeroportos regionais (R$ 7,2 milhões). São R$ 247,6 milhões em recursos destinados pelos 34 parlamentares, 31 deputados federais e três senadores, da bancada gaúcha.

Claudete lamenta que a ponte entre Guaporé e Anta Gorda esteja fora das prioridades.

“A informação que recebemos é que o projeto da ponte está fora das prioridades da bancada gaúcha. Infelizmente não ficou entre os 17 aprovados em um primeiro momento. Os parlamentares não se sensibilizaram com o nosso pleito. É uma notícia triste para nós que estamos na luta há anos. Tivemos apoio das Administrações Municipais de Guaporé e Anta Gorda, com mais destaque para o prefeito Fabris que incansavelmente tem buscado alternativas para que a obra da ponte seja executada num curto espaço de tempo. Porém, a negativa da bancada gaúcha quanto à liberação de recursos, faz voltarmos praticamente à estaca zero”, disse.

Claudete afirma que, mesmo sem aval da bancada gaúcha, a luta continuará e que novos meios serão buscados para que a nova ponte seja construída.

“Não vamos desistir e nem perder as esperanças. Conversei com o prefeito Fabris e com vereadores que nos apoiam e continuaremos lutando pela construção da nova ponte. O pré-projeto está pronto e as licenças ambientais foram requeridas pelo Poder Público de Guaporé junto aos órgãos competentes. Se não der esse ano, vamos pressionar os deputados e senadores para que incluam nas prioridades de 2020 com recursos de emendas liberadas para o ano seguinte”, destacou Claudete.

Ela ressaltou ainda:

“Acredito que a nova ponte será construída no futuro. Independente de partido político todos deveriam se unir para o melhor. Não estou lutando apenas por uma ponte entre os municípios de Guaporé e Anta Gorda. Estou lutando por um país melhor”, afirmou.

A dificuldade daqueles que necessitam do trajeto entre os dois municípios é justamente quando as condições climáticas não são favoráveis. Quando chove o leito do rio Guaporé sobe e impossibilita a passagem. Para o deslocamento, os condutores de veículo procuram rotas alternativas que geram mais gastos pela distância.

Central de Conteúdo/Rádio Aurora 107.1 FM
Rede Scalabriniana de Comunicação
Siga-nos no Instagram: @rdauroraguapore

Central de Conteúdo Unidade Aurora

Enviar Correção

Comentários