Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
00:00:00
Igreja no Rádio
05:00:00
 
 

Polícia Civil entra em greve contra pacote do governo estadual

Baixar Áudio por Pablo Ribeiro

Paralisação será mantida enquanto pacote do governador Eduardo Leite (PSDB) estiver sendo votado na Assembleia Legislativa, o que deve ocorrer nesta terça-feira (16)

Foto: Pablo Ribeiro/Tua Rádio São Francisco

 

Agentes da Polícia Civil gaúcha entraram em greve nesta segunda-feira (16). Em assembleia geral, no último dia 10, a categoria decidiu pela paralisação contra o pacote de medidas do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). A greve será mantida enquanto o pacote estiver sendo votado pelos deputados estaduais na Assembleia Legislativa. A votação deve ocorrer nesta terça-feira (17).

Conforme o presidente do Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia-RS (UGEIRM), Isaac Ortiz, a greve é o último recurso para que o pacote seja barrado na Assembleia. Segundo Ortiz, as medidas do governo irão prejudicar os servidores, pois trará mudanças nas carreiras e na Previdência dos funcionários públicos estaduais. A UGEIRM critica, principalmente, medidas como o aumento das alíquotas de contribuição de ativos e inativos, o fim das promoções periódicas, a restrição às atividades sindicais e o não reconhecimento da paridade e da integralidade aos policiais que ingressaram após 2015.

O Movimento Grevista manterá os atendimentos de urgência e emergência no período que durar a greve. Isso representa a manutenção de 30% de cada órgão da Polícia Civil, quando houver a necessidade de atuação pela emergência e urgência.

A orientação é que os policiais do plantão registrem apenas ocorrências relacionadas a fatos criminais, não colham depoimentos, assinem autos de prisão em flagrante apenas com a presença de autoridade policial e que um auto só seja iniciado quando o anterior tiver sido concluído. Para os investigadores, a orientação é não deixar as delegacias com viaturas sem condições adequadas e sem o combustível necessário para a diligência, não participar de operações policiais, excetuando os casos de crimes graves, como homicídios, latrocínios, roubos, estupros, ou que tenham crianças e mulheres como vítimas, com medida protetiva. Ortiz também recomenda que, quem necessitar dos serviços da polícia, utilize a delegacia online.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais