Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
18:00:00
Encontro Certo
19:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Mutirão de coleta de DNA reacende esperança de famílias que estão à procura de pessoas desaparecidas

Baixar Áudio por Isadora Helena Martins

A ação ocorreu nesta quarta-feira, em Caxias do Sul. Conforme registros da Polícia Civil, município teve 45 pessoas desaparecidas somente neste ano.

Foto: Divulgação / Isadora Martins

A partir de uma iniciativa do Ministério da Justiça, com a participação do Instituto-Geral de Perícias e da Polícia Civil, ocorre em todo o País um mutirão para coleta de DNA de familiares de pessoas desaparecidas. Em Caxias do Sul, a ação para coletar o material genético foi realizada nesta quarta-feira (16), no Palácio da Polícia Civil, no Centro da cidade.

Conforme o perito criminal, Airton Kraemer, o objetivo da ação é integrar as informações do Banco Nacional de Perfis Genéticos (BNPG): “Pra que a gente possa fazer o processamento no nosso banco de dados, que está interligado com o do Ministério da Justiça, pra ver se é possível localizar esse familiar em algum dos estados da Federação. Então, a gente coleta o sangue desse familiar de primeiro grau, extrai o código genético dele e se lança no nosso banco de dados, confrontando com os nossos dados já armazenados de pessoas que entraram em óbito, tanto em Caxias, no estado ou fora do estado também”.   

Ele também explicou à reportagem que um dos principais objetivos é identificar pessoas desaparecidas que morreram e foram enterradas sem nenhum tipo de documentação, a fim de dar uma resposta para as famílias que ainda estão à procura dos seus entes.

Para Arilene Terezinha Rodrigues, que foi a primeira pessoa a comparecer ao mutirão, em Caxias do Sul, a ação reacende a esperança de encontrar o irmão desaparecido há quatro anos. “Eu achei muito importante, principalmente, pra nossa família, que eu tenho um irmão que vai fazer quatro anos que está desaparecido. Então pra nós é motivo de esperança, porque só quem passa sabe a dor que a gente sente. Então, a gente nunca perde a esperança de encontrar ele”, disse.

Quem não pôde comparecer ao mutirão de coleta de material genético que ocorreu nesta quarta-feira, em Caxias do Sul pode buscar o posto médico legal para fornecer o material genético.

Conforme dados disponíveis no site da Polícia Civil, até esta quarta-feira (16), Caxias do Sul registrou 45 casos de desaparecimento neste ano.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais