Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
00:00:00
Igreja no Rádio
05:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Roubo de cargas cresceu 86% no Brasil em cinco anos, segundo estudo

por Pablo Ribeiro

Entre 2011 e 2016 foram registrados 97.786 roubos de cargas no Brasil, que geraram uma perda superior a R$ 6,1 bilhões. Em uma lista de 57 países, o Brasil é apontado como o oitavo mais perigoso para o transporte de cargas, à frente até mesmo de países em

Foto: Agência Brasil/Divulgação

De acordo com levantamento da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN), nos últimos seis anos, os registros de roubos de cargas aumentaram 86% no Brasil, passando de 12.124 em 2011 para 22.547 em 2016.  De cada grupo de 88 veículos constantes no Registro Nacional de Transportadores Rodoviário de Carga, um foi alvo das quadrilhas de roubo de cargas em 2016. Em uma lista de 57 países, o Brasil é apontado como o oitavo mais perigoso para o transporte de cargas, à frente até mesmo de países em guerra e conflitos civis, o que mostra a gravidade do problema de roubos de cargas no Brasil.

Entre 2011 e 2016 foram registrados 97.786 roubos de cargas no Brasil, que geraram uma perda superior a R$ 6,1 bilhões.

O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado do Rio Grande do Sul (SETCERGS), Afrânio Rogério Kieling explica sobre as possíveis causas do aumento de roubos de cargas no Brasil.

Em 2016 foi registrado o maior crescimento de ocorrências. Foram 4.056 casos acima do registrado em 2015.  Este crescimento foi puxado, principalmente, pelos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, com 2.637 e 1.453 ocorrências acima do ano anterior, respectivamente. Juntos, esses estados representaram 87,8% dos registros em 2016, sendo 44,1% em São Paulo e 43,7% no Rio de Janeiro. Minas Gerais é o terceiro estado em número de roubo de cargas no Brasil, seguido por Goiás e Bahia. O Rio Grande do Sul aparece em sexto lugar. Foram 220 casos em 2016. Toda a região Sul ocupa a terceira posição, representando 1,4 % dos registros de roubo de cargas.

O presidente SETCERGS explica quais medidas estão sendo solicitadas pelos sindicatos e organizações do meio de transporte para o poder público para mudar este cenário.

O roubo de cargas é um crime que afeta fortemente a economia pelos efeitos em cadeia, resultando em uma forte perda de competitividade, com a transferência dos custos extras para a sociedade através do preço final das mercadorias. Para os governos, sobretudo os Estados, ocorre perda da arrecadação de impostos com a comercialização clandestina destas cargas. Outro impacto social é o aumento da violência, uma vez que o roubo de cargas vem sendo utilizado, em alguns estados, para financiar o tráfico de drogas e armas. Além disso, regiões com grande incidência passam a ser evitadas pelas transportadoras e a população local enfrenta risco de desabastecimento ou de se tornar refém do crime organizado, que controla o comércio local. (OUÇA O ÁUDIO DA MATÉRIA COM A ENTREVISTA COM O PRESIDENTE DO SETCERGS, AFRÂNIO ROGÉRIO KIELING).

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais