Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
05:00:00
Tá na Hora
07:00:00
 
 

Júri popular de rapaz que matou namorada se repete nesta segunda-feira

Central de Conteúdos Rádio Garibaldi AM

Julgamento que ocorreu há um ano foi anulado pelo TJE

Foto: João Paulo Deluca/Arquivo Rádio Garibaldi

O novo julgamento de Alexandre Augusto Kulnic de Bragança Soares de Souza, 32 anos, acusado de matar a facadas a namorada bento-gonçalvense Caroline Ducati há quase dez anos, no dia 15 de setembro de 2005, em um apartamento do edifício localizado na esquina da Avenida Presidente Vargas com a rua Flores da Cunha, em frente à Fisul, está agendado para esta segunda-feira, dia 4.05.

Alexandre já havia sido levado a júri popular em 10 de março de 2014, no Fórum de Garibaldi, e foi condenado a 15 de prisão em regime fechado. No dia 15 de maio, no entanto, ele conseguiu alvará de soltura através de habeas corpus, e em 20 de novembro do ano passado, o julgamento foi anulado pelos desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado.

Na oportunidade, os desembargadores entenderam que a sessão de plenário que condenou Alexandre não respeitou cinco situações exigidas no Código de Processo Penal. Uma delas é a não gravação do depoimento de uma testemunha em plenário.

O julgamento está previsto para iniciar às 9h30min, no Fórum de Garibaldi. Foram convocados 21 jurados, dos quais sete serão sorteados na segunda-feira para compor o júri.

Relembre o caso:

Após uma discussão do casal, Caroline foi esfaqueada até a morte. A vítima apresentava marcas de facada por todo o corpo, inclusive nas mãos, demonstrando que ela tentou, em vão, se defender das investidas do acusado.

Em depoimento durante o trâmite processual, os vizinhos afirmaram que poucas horas antes do crime chegaram a ouvir a discussão do casal. O assassinato foi descoberto após os moradores do andar de baixo perceberem um líquido similar a sangue escorrendo por um dos lustres do apartamento. Eles acionaram os bombeiros, que confirmaram se tratar de sangue e, em seguida, chamaram a Brigada Militar.

Os policiais arrombaram a porta e encontraram Caroline já sem vida. Souza estava deitado junto ao corpo, com os pulsos e parte de um dos braços cortados. A arma utilizada no crime foi encontrada ao lado.

O acusado teve a prisão preventiva decretada um dia após o fato e chegou a ficar detido entre setembro de 2005 e janeiro de 2006 no Presídio Estadual de Bento Gonçalves. Em seguida, foi transferido para o Instituto Psiquiátrico Forense (IPF), onde permaneceu até novembro do mesmo ano, quando o Superior Tribunal de Justiça concedeu Habeas Corpus.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais