Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
09:00:00
Notícias da Hora
09:05:00
 
 

Entidades do comércio reivindicam atendimento presencial mesmo na bandeira vermelha ou preta

por Isadora Helena Martins

Sindilojas e CDL Caxias afirmam que restrições no funcionamento vão gerar mais prejuízos para o setor

Foto: Divulgação / Cristhian Silva

As entidades representantes do comércio em Caxias do Sul afirmam ver com preocupação o enquadramento da região da Serra na bandeira vermelha do Distanciamento Controlado. O protocolo mais restritivo para a Região foi confirmado nesta segunda-feira (13) pelo governador Eduardo Leite e passa a valer a partir desta terça-feira (14).

De acordo com o que determina o novo regramento, o comércio de rua e considerado não essencial pode operar sem atendimento ao público e com número de funcionários mínimo, apenas para manter atividades internas. O setor pode atuar apenas com vendas online e tele-entrega.  Durante a live, Leite anunciou, ainda, a permissão para as operações de drive thru e take away (pague e leve) para o comércio de produtos não essenciais na bandeira vermelha.

Para a presidente do Sindilojas Caxias, Idalice Manchini, o modelo de Distanciamento Controlado proposto pelo governo estadual impacta negativamente no funcionamento do setor. “O efeito gangorra não termina. Nós, de sexta pra segunda ficamos na ansiedade, na segunda vem a notícia da bandeira vermelha, a gente não sabe o que fazer no dia seguinte com os nossos colaboradores nem com nossas empresas. Mas, nós temos um protocolo a ser seguido e como entidade representante do comércio precisamos passar as instruções para os nossos lojistas. Portanto, o nosso parecer é que mesmo na bandeira vermelha a gente pudesse atender com portas abertas, mesmo com 25% da capacidade”, avalia.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Caxias do Sul, salientou que a medida pode acarretar no fechamento definitivo de mais estabelecimentos, principalmente micro e pequenas empresas que necessitam do rendimento diário para se manter. Ele ainda afirmou que a flexibilização para o comércio não presencial não deve amenizar os prejuízos de forma efetiva: “Sabemos que grande parte das vendas ainda ocorre de forma presencial, e que temos feito todo um esforço para manter os estabelecimentos abertos. Essa impossibilidade de atendimento ao público prejudica demais o comércio, em especial os pequenos negócios”, reforça.  

Entidades querem mais autonomia para os municípios

Representantes dos setores de comércio, serviços e indústria da Serra Gaúcha realizaram uma reunião na tarde desta segunda-feira (13), na Câmara de indústria Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul, para discutir mudanças no modelo de Distanciamento Controlado. O objetivo do grupo é levar ao governador Eduardo Leite uma proposta para que cada município tenha mais de flexibilidade e autonomia para determinar algumas questões de sua cidade, no que diz respeito à pandemia.

Além das entidades, estavam presentes prefeitos municípios da região da Serra, deputados Estaduais e  representantes de entidades patronais. Uma nova reunião deve ocorrer nesta terça-feira (14), na Prefeitura de Caxias do Sul, para tratar sobre o assunto.

   

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais