Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
06:30:00
Caminhos da Fé
08:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Comunicação adotada por Jair Bolsonaro influenciou no fraco crescimento do PIB, diz economista

Baixar Áudio por Rodrigo Fischer

Avaliação mostra que demora na aprovação de reformas também refletiu

Foto: Wilson Dias/EBC

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta semana, o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no ano passado. Os dados mostram que o país cresceu 1,1%, o que totaliza um montante de R$ 7,3 trilhões. O resultado é a terceira alta anual consecutiva, mas o desempenho é considerado o mais baixo em três anos. Em 2018, a projeção era um de crescimento de 2,55% no PIB para 2019.

Em entrevista ao programa No Ponto, da Tua Rádio São Francisco, a economista Maria Carolina Gullo explicou o motivo da diferença entre a expectativa no início do governo do presidente Jair Bolsonaro e o resultado divulgado pelo IBGE. Segundo ela, os fatores se concentram na tomada de um novo ciclo após 13 anos e nas promessas do governo federal em desburocratizar os processos econômicos. Com o andamento da administração, foi visualizada a dificuldade em aprovar algumas reformas, por exemplo, a da Previdência.

Gullo ainda ressalta que a forma de comunicação adotada por Bolsonaro influenciou nos indicadores, uma vez que o mercado econômico demorou a entender a linguagem do presidente. “Levou um tempo para o mercado se acostumar com o jeito do presidente Jair Bolsonaro, com a forma de se expressar e se comunicar. O empresariado demorou a compreender o que é passível de se levar em consideração naquela forma de conversar com a população. Os desgastes políticos ao longo do ano e a demora para aprovar as reformas minaram a expectativa que o empresariado tinha para 2019. ”

Com essa falta de compreensão, os investimentos efetuados pelo empresariado brasileiro foram baixos, conforme explica Gullo. “Quando há esse desgaste, o empresariado não sente necessidade e desejo de investir, não vislumbra melhorar seus negócios, aí ele não compra uma máquina nova, não muda o processo de produção e não contrata novas pessoas. Isso repercute no desempenho da economia. Sem essas ações, não há geração de emprego, não há renda, repercutindo sobre o consumo e afetando todo o sistema econômico. ”

De acordo com o IBGE, os consumos das famílias brasileiras também refletiram no baixo crescimento do PIB. Os números apresentam que o ano passado foi o resultado mais fraco desde 2016 (1,8%), ao contrário do ritmo de recuperação que vinha desde 2017. Gullo explica a causa dessa desaceleração. “Pelo lado do consumidor, lembramos que a inadimplência continua alta e as pessoas deixaram de consumir, ou porque perderam o emprego ou estão com os salários menores do que tinham antes, por isso precisam adequar o orçamento familiar para uma nova realidade. Isso acaba refletindo nesse patamar de 1,1%, que fechou no ano passado. ”

Para este ano, uma pesquisa divulgada pelo Banco Central, nessa última segunda feira (02/03), aponta que o PIB brasileiro tende a crescer 2,17%.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais