Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
07:00:00
Conectado
09:00:00
 
 

Pedofilia, crime hediondo

Frei Betto

       Ao visitar o Chile, em janeiro deste ano, o papa Francisco recebeu denúncias de abusos sexuais cometidos por padres e bispos. Estes o convenceram de que as acusações não procediam. As vítimas reagiram. Então, o papa enviou emissários ao Chile para investigar as denúncias. Conclui-se que as acusações eram verídicas, e havia empenho de bispos para acobertar os crimes.

       Francisco chamou a Roma todo o episcopado chileno e exigiu autocrítica penitencial e renúncia coletiva. Agora, a situação de cada bispo é criteriosamente analisada para mantê-lo ou não à frente de sua respectiva diocese.

        Escândalo idêntico ecoa na Igreja da Pensilvânia, nos EUA. Ao menos 301 padres abusaram de mais de mil crianças. O papa emitiu dura carta sobre o tema: “É essencial que nós, como Igreja, sejamos capazes de reconhecer e condenar, com dor e vergonha, as atrocidades perpetradas por pessoas consagradas, clérigos e todos aqueles a quem confiamos a missão de zelar e cuidar dos mais vulneráveis.” E, pela primeira vez, um pontífice qualifica de “crime” o procedimento pedófilo, e nos conclama a juntar forças “para extirpar essa cultura da morte”.

       Desde o pontificado de João Paulo II vêm à tona denúncias de pedofilia na Igreja Católica. Esse crime ocorre também em muitas outras instituições que lidam com crianças e jovens e, sobretudo, no âmbito familiar, onde é calado por medo e vergonha.

       É hora de a Igreja Católica trazer à tona as causas da pedofilia eclesiástica, além de apurar as denúncias e punir com rigor os casos comprovados, incluindo a indenização às vítimas. Uma das causas é a falta de cuidadosa seleção dos candidatos ao sacerdócio e à vida religiosa. Questões relacionadas à sexualidade não são debatidas, como se a suposta vocação sacerdotal de um jovem fosse atestado de propensão à vida celibatária e à castidade.

       Na Igreja, a excessiva ênfase no mito da pureza e na exaltação da virgindade faz a sexualidade parecer um equívoco de Deus. Como se os santos, tão venerados, não tivessem nascido de uma relação sexual entre um homem e uma mulher. Até o papa Francisco, tão esclarecido, mostra-se tributário de formação homofóbica ao sugerir, na volta de sua visita à Irlanda, que sinais de homossexualidade na infância podem merecer “ajuda psiquiátrica”.

       Frente a isso tomei a iniciativa de publicar a cartilha popular intitulada “Sexo, orientação sexual e ‘ideologia de gênero’”, na qual trato abertamente dos temas, em apoio à comunidade LGBTTI. Quanto mais se escamoteia a pauta da sexualidade na Igreja, mais se favorecem atitudes hediondas.

       É espantoso ver padres e bispos gays proferirem sermões homofóbicos e falarem de sexo ancorados na teologia da Idade Média. Ainda hoje a doutrina oficial católica reza que, no matrimônio, ao casal só é permitido manter relação sexual quando houver intenção de procriar...

       Meu professor de Teologia Moral, ao abordar tal ensinamento, observava: “Isso não é teológico, é zoológico.” E sabemos que mesmo entre animais, em especial mamíferos, há intimidade física motivada apenas pelo afeto.

       Malgrado tanto sofrimento causado, espero em Deus que o escândalo da pedofilia tire a Igreja do armário do moralismo farisaico e adote a atitude de Jesus que, sem canonizar o celibato, escolheu, para chefiar a comunidade dos apóstolos, Pedro, um homem casado, cuja sogra Jesus curou (Marcos 1, 30).

       Como na Igreja primitiva, o celibato deveria ser facultativo. E as mulheres, tão aceitas na comunidade de Jesus (Lucas 8, 1-3), terem acesso ao sacerdócio e às funções hierárquicas. É bom lembrar que a primeira apóstola, a anunciar publicamente que Jesus era o Messias, foi uma mulher, a samaritana do poço de Jacó. E a primeira testemunha da ressurreição, que comunicou o fato aos apóstolos, outra mulher, Maria Madalena.

Sobre o autor

Frei Betto

Frade dominicano,  escritor, Foi coordenador da ANAMPOS (Articulação Nacional de Movimentos Populares e Sindicais, participou da fundação da Central Única dos Trabalhadores e da Central de Movimentos Populares. Prestou assessoria à Pastoral Operária  ao Instituto Cidadania de São Paulo às Comunidades Eclesiais de Base (CEBs). Foi também consultor do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

 

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais