Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
20:00:00
Tua Essência
23:59:00
 
 

Suinocultura: Embrapa pesquisa gestão coletiva de matrizes

por Felipe M. Padilha

Processo melhora o controle sanitário, reduz a perda energética e aumenta a produtividade

Baias coletivas: alia produtividade com o bem-estar animal
Foto: Osmar Dalla Costa/Divulgação/CR

A gestação coletiva de matrizes suínas, onde são alojadas em grupos que permitem melhor expressão do comportamento natural e interação com outras porcas, é uma das apostas para melhorar o bem-estar animal e a sustentabilidade na suinocultura brasileira.

Esse sistema de alojamento é tema do Seminário Técnico Brasil Sul de Gestação Coletiva de Matrizes Suínas, que aconteceu na terça 9, durante o IX Simpósio Brasil Sul de Suinocultura no auditório do Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo Nes em Chapecó (SC).

A partir de 1970, a produção de suínos no Brasil passou a ser realizado em sistema de confinamento. Isso melhorou o controle sanitário, reduziu a perda energética dos animais e aumentou a produtividade, mas alterou a vida social natural dos animais.

“É isso que estamos buscando agora: aliar a produtividade com o bem-estar animal dos suínos, no caso, das matrizes”, diz o pesquisador Osmar Dalla Costa, da Embrapa Suínos e Aves, um dos palestrantes do seminário técnico de agosto. O Brasil tinha em 2015, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal, 2,5 milhões de matrizes suínas.

No sistema intensivo, as fêmeas suínas têm comportamentos e bem-estar comprometidos. “Uma diretiva da União Europeia obriga a manter as matrizes reprodutoras e marrãs de reposição em grupo, durante período de quatro semanas após a inseminação até uma semana antes da data prevista do parto”, destaca Dalla Costa. Informações: [email protected]

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais