Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
20:00:00
Tua Essência
23:59:00
 
 

Polícia Civil conclui inquérito sobre homicídio bárbaro ocorrido em Bom Jesus

por Ronaldo Pontel

Três homens teriam praticado o crime

 

No dia nove de abril deste ano, Patricia Marques Muller deixou a cidade de Feliz/ com destino a Bom Jesus, onde iria morar com amigas e procurar um emprego. O último contato com os familiares ocorreu no dia 21 de abril. No dia 08 de maio,  um corpo de mulher, bastante carbonizado, em decomposição  foi encontrado na localidade de Mandaçaia, a dez minutos da cidade de Bom Jesus.

A partir de redes sociais, os investigadores chegaram  ao perfil que seria da vítima. Dias depois, a checagem da numeração da prótese de metal em um dos membros inferiores, resultado de um acidente, indicou que se tratava de Patrícia, o que foi confirmado por reconhecimento de tatuagens existentes no dorso, e posteriormente por exame de DNA. Segundo familiares, era usuária de drogas e estaria grávida de quatro meses.

A necropsia realizada no Posto do DML de Vacaria apontou que se tratava de um cadáver feminino, cabelos loiros. O aspecto anterior do corpo estava carbonizado e decomposto. Não foi encontrado o útero. No aspecto posterior, dorso, havia preservação de tecidos em razão da umidade do solo, onde estavam íntegras tatuagens dorsais que serviram a uma das modalidades de reconhecimento. 
A perícia realizada no local do crime, pelos peritos do Departamento de Criminalística, concluiu que entre outros aspectos  tratava-se de local de desova de cadáver e que a vítima sofreu o desmembramento dos membros superiores e inferiores, total ou parcialmente. É possível que músculos e pele do tronco também tenham sido cortados e removidos.
Depois de o cadáver ter sido deixado na margem da estrada vicinal, houve tentativa de carbonização  e dos demais vestígios. Houve a queima parcial da cabeça e da região anterior do corpo, de parte das vestes e dos tecidos que o envolviam. A água presente no local, preservou a região posterior do cadáver que se encontrava parcialmente submerso durante o incêndio.

A partir desses achados e das informações periciais, a Polícia Civil, através da DP Bom Jesus iniciou e desenvolveu discreta, intensa, prioritária e complexa investigação. Chegou ao local onde provavelmente o homicídio foi praticado, uma residência na rua Arlindo Panenbeker, Bairro Santa Catarina. A polícia apreendeu diversas peças de roupa, cinco facas, um serrote, um machado e outros objetos. Exame de DNA encontrou sangue da vítima no machado e no serrote apreendidos na casa. Outra perícia foi solicitada, desta vez com emprego de luminol na residência, um produto químico especial capaz de fazer aparecer traços de sangue até então invisíveis a olho nu. O luminol também foi empregado no veículo no qual o corpo foi transportado até o local da desova e carbonização.
INDICIADOS

 A investigação policial prosseguiu, sendo identificados os três homens que estavam na casa e que praticaram o crime triplamente qualificado, e a destruição e ocultação de cadáver.
Diante de provas robustas, a prisão preventiva foi solicitada pela autoridade policial e decretada pela Justiça. Um rapaz identificado por Douglas, 20 anos, morador de Bom Jesus, foi preso em 16 de maio. Nesse dia, os policiais encontraram drogas,sendo ele preso por tráfico de drogas junto com um comparsa de tráfico. A Polícia Civil realizou diversas diligências para prender os outros dois criminosos, em cidades de Santa Catarina e Porto Alegre. Tobias, 21 anos, esteve por municípios catarinenses, mas somente foi encontrado e preso pelos Policiais Civis em Porto Alegre, no dia 31 de maio. O terceiro indiciado, Lucas, 20 anos, conhecido como LK, ainda não foi localizado e encontra-se foragido. Ele é de Porto Alegre, mas estava em Bom Jesus havia vários meses, traficando drogas.
VÍDEO DA MORTE: 
Existe um vídeo que foi feito pelos próprios criminosos. Nele, a vítima ainda estaria agonizando e mostraria os criminosos se divertindo com o fato. Segundo informações e depoimentos, esse vídeo circulou por redes sociais, e fora visto por muitas pessoas. Até o momento a Polícia não conseguiu ter acesso. Por isso, é solicitado as pessoas  de Bom Jesus que tenham visto ou armazenado o vídeo, que colaborem e apresentem a polícia. Segundo o delegado Vítor Fenando Boff será garantido todo o sigilo e o anonimato, pois o importante não é a fonte do vídeo, e sim o que ele mostra.
Segundo a investigação, Lucas pertenceria a uma facção, e depois de um convívio pacífico em Bom Jesus, descobriu que na cidade de origem, Patricia tinha ligação com pessoas de facção rival.
O assassinato ocorreu no domingo de Páscoa, dia 21 de abril, dia do aniversário de Patrícia, e segundo informações que chegaram à Polícia Civil, até mesmo a data foi escolha deliberada pelos autores.

Em rede social, Tobias exaltou determinada facção e exibiu fotografia do corpo da vítima, já morta, estirada ao chão, sendo repreendido por Lucas em mensagem. Com a advertência, a postagem foi retirada, mas a Polícia obteve-a, cujo print faz parte dos autos do inquérito policial.
As investigações foram realizadas pelos quatro agentes da Polícia Civil da DP Vacaria, Comissário Joevane, Escrivão Cláudio, Inspetores Panassol e Ednaldo, conduzidas pelo Delegado de Polícia Vitor Fernando Boff.

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Fátima

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais