Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
00:00:00
Igreja no Rádio
05:00:00
 
 

Prisão de investigado por abusos sexuais em Fontoura Xavier é requerida pela Polícia Civil e Judiciário indefere solicitações

por Leticia Nunes

Segundo a esponsável pela 24ª Delegacia de Polícia Civil, com sede em Soledade, um pedido foi pela prisão preventiva e o outro por temporária

Delegada Fabiane Bittencourt.
Foto: Tua Rádio Cristal.

Mesmo não sendo a responsável pelo inquérito policial que apura os fatos relacionados aos abusos sexuais contra ex-escoteiros no município de Fontoura Xavier, a delegada Fabiane Bittencourt, que responde pela 24ª região policial, com sede em Soledade está totalmente a par da investigações

Conforme a delegada, os primeiros registros iniciaram ainda no final de 2018 e estiveram aos cuidados do delegado Jader Ribeiro Duarte, quando uma vítima procurou a Polícia Civil e relatou fatos atinentes a abuso sexual efetuado pelo líder do Grupo Escoteiro Guamirim do município. Na sequência, mais jovens denunciaram e declararam praticamente as mesmas situações.

De acordo dom Fabiane, durante a apuração dos casos, foram colhidas todas as provas possíveis que possam incriminar o suspeito como o real autor. "Geralmente conseguimos coletar apenas um ou dois tipos de provas. Nestas investigações não. Temos todos os elementos necessários, tanto a prova testemunhal, como a material e a pericial que garantem totalmente a punição do suspeito".

A delegada explica que ao longo do processo policial houve o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na residência do acusado, onde diversos materiais eletrônicos foram apreendidos, como celulares, tablets, HDs, MP3, entre outros.

Nesse sentido,  é que houve duas  solicitações de prisão do elemento. "Tivemos dois pedidos de prisão efetuados. O primeiro em maio deste ano, quando pedimos a prisão preventiva do indivíduo e eu fui pessoalmente conjuntamente com o delegado Marcos Veloso entregar ao Judiciário. O pedido foi indeferido. Em uma segunda ocasião, optamos pela prisão temporária devido a algumas comprovações por meio de provas periciais, a qual também nos foi negada".

A delegada reafirmou ainda que todas as diligências por parte da Polícia Civil foram tomadas. "Não podemos nos omitir, tudo o que compete a nós foi e tem sido efetuado, porém, não temos a competência e nem a autoridade de prender ninguém a não ser que seja concedida pelo juiz e isso nos ocasiona preocupação pois já que temos provas suficientes para a referida. Enquanto isso, o suspeito está solto e pelo que sabemos pode ter cometido outros abusos sexuais após ter saído de Fontoura Xavier".

No total, são 19 vítimas que constam  no inquérito policial e a delegada concorda com a advogada Claridê Chitolina que afirmou existir muito mais, pois, os abusos no Grupo Escoteiro Guamirim, iniciaram em 2007, quando foi criado pelo suspeito de 52 anos e perduraram até 2016, um ano antes do encerramento das atividades do movimento na comunidade fontourense. As crianças e adolescentes vítimas do acusado possuíam na época, segundo Fabiane, entre  10 e 17 anos.

Acompanhe a entrevista no endereço:

https://www.facebook.com/tuaradiocristal/videos/223387131898153/

 

Central de Conteúdo Unidade Tua Rádio Cristal

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais