Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
14:00:00
Em Alta
18:00:00
 
 

Testemunhas, imagens e perícia mecânica devem esclarecer acidente com vítima fatal em Guaporé

por Eduardo Cover Godinho

Delegado Tiago Lopes de Albuquerque, titular da Delegacia de Polícia (DP), abriu inquérito policial para apurar as circunstâncias da tragédia

Delegado Tiago trabalha incansavelmente no inquérito policial
Foto: Arquivo

As causas do acidente de trânsito que vitimou a jovem Daiana Cestari, 20 anos, no começo da manhã do dia 6 de abril em Guaporé, começam a serem investigadas pelos agentes da Delegacia de Polícia (DP). Coordenados pelo Delegado Tiago Lopes de Albuquerque, os policiais responsáveis pelo Setor de Investigação buscam explicações para o que possa ter acontecido com Alexandre Bratz Gottardo, condutor do Ford Focus, emplacado em Porto Xavier, que colidiu, provavelmente em velocidade incompatível com a via urbana (Avenida Silvio Sanson – 50 Km/h), na traseira do Fiat Uno, placas de Guaporé, guiado pela jovem. Imagens de câmeras de videomonitoramento de estabelecimentos comerciais, testemunhas que presenciaram o acidente ou estavam próximas do local e a análise nos veículos (perícia mecânica) dos técnicos do Instituto Geral de Perícias (IGP), devem ajudar a esclarecer a tragédia.

A morte de Daiana, constatada pela unidade hospitalar de Bento Gonçalves (Hospital Tacchini) 11 horas após o acidente, trouxe uma maior preocupação para a Polícia Civil, pois o local não foi preservado pela Brigada Militar (BM) e Corpo de Bombeiros (CB), visto que no momento não havia necessidade porque se tratava de um acidente com lesões corporais.

“A perda da jovem é uma situação bastante triste e nós (Polícia Civil) ficamos com a responsabilidade de apurar as circunstâncias do evento. Como a morte da vítima aconteceu após o socorro, vamos ter um pouco de dificuldade no trabalho de investigação. O local foi desfeito, pois a autoridade policial tratou de liberar o fluxo de veículo e não há uma perícia do ponto de início e do fim do acidente. Agora, a partir da constatação da morte da vítima, instauramos inquérito policial e estamos reunindo o maior número de elementos (imagens e testemunhas) do momento do impacto dos veículos e até antes para detectarmos a situação que o Focus vinha trafegando pela Avenida Silvio Sanson. Vamos apurar todas as circunstâncias para, ao final da investigação, saber se houve culpa do outro condutor envolvido”, destacou Albuquerque.

O Delegado afirmou que algumas imagens de estabelecimentos comerciais estão sendo analisadas e que outras devem constar no inquérito policial.

“Queremos o maior número possível de elementos, em especial imagens de câmeras de videomonitoramento, para que possamos formar nossa convicção no que se refere à culpa deste acidente”.

Segundo Albuquerque, somente os peritos é que poderão apurar com precisão se o automóvel Focus sofreu algum problema mecânico segundos antes da colisão. Porém, a análise não detecta a velocidade que se deslocavam os veículos envolvidos no acidente.

“Buscamos essa informação nas imagens e testemunhos das pessoas. Queremos saber com precisão se o automóvel causador da colisão estava em situação de excesso de velocidade. A princípio, pelo que pudemos apurar e pelos danos provocados, é o que nos parece até o momento”, disse o delegado.

A DP Guaporé tem o prazo de 30 dias para a conclusão do inquérito policial que apurará as causas do acidente. Porém, Albuquerque acredita que haverá prorrogação devido às análises da perícia mecânica e nas oitivas que vão esclarecer as circunstâncias do evento.

Central de Conteúdo Unidade Rede Scalabriniana

Enviar Correção

Comentários