Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
05:00:00
Tá na Hora
07:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Subsídios Exegéticos para o domingo 24 de outubro

por João Romanini

Liturgia Dominical - Ano B - 30º Domingo do Tempo Comum

Foto: Divulgação

Subsídios Exegéticos para o domingo 24 de outubro

Liturgia Dominical - Ano B - 30º Domingo do Tempo Comum

Dia: 24 de Outubro de 2021

Primeira Leitura: Jr 31,7-9

Salmo: 125, 1-2ab.2cd-3.4-5.6

Segunda Leitura: Hb 5,1-6

Evangelho: Mc 10,46-52

 

Evangelho

Marcos tem dois relatos de cura de cego: Betsaida (8,22-26) e Jericó (10,46-52). Estes relatos estão dispostos de tal maneira, que por si só, já transmitem uma cristologia própria. Quanto ao relato do cego de Betsaida (8,22-26), é importante situá-lo como conclusão da unidade anterior (6,6b-8,26) e início da subida para Jerusalém, onde Jesus enfrentará a prisão e a cruz. Esta caminhada exige abrir os olhos. Assim, Marcos dispôs seus dois relatos de cura de cegos para emoldurar a cegueira dos discípulos que não compreendem o messianismo de Jesus.

A cegueira é um dos motivos fortes na cristologia de Marcos. Em Mc 3,6 os fariseus e herodianos, em sua cegueira, pensam eliminar Jesus. Esta cegueira também se faz sentir em seus conterrâneos que, estupefatos, se mostram atônitos diante de seu antigo colega (Mc 6,1-6). A mesma cegueira também se verifica nos discípulos que ainda não abriram os olhos (Mc 8,14-21) e recebem esta repreensão: “Vós tendes olhos: não vedes? Tendes ouvidos: não ouvis? (Mc 8,18).

Agora que o caminho ruma para Jerusalém, onde se dá o desfecho, é preciso abrir os olhos dos seguidores para a dura realidade. Marcos coloca os dois relatos de cura de cego como moldura para ilustrar a cegueira daqueles que terão de aprender da cruz o verdadeiro messianismo de Jesus.

A primeira moldura é o cego de Betsaida (Mc 8,22-26). Tudo o que vem a seguir tem a ver com cegueira e iluminação. Jesus pergunta: quem dizem que eu sou (Mc 8,27-30). Pedro professa: “Tu és o Cristo”. Doutrina correta, mas compreensão errada (cegueira). Jesus vai corrigir esta cegueira por três vezes anunciando sua paixão (Mc 8,31; 9,30s; 10,32ss). Três vezes os discípulos se mostram cegos. A primeira vez Pedro quer impedir a cruz (Mc 8,32). A segunda vez são os discípulos que discutem quem será o maior (Mc 9,33s). A terceira manifestação de cegueira se dá no pedido dos filhos de Zebedeu que ambicionam os primeiros lugares (Mc 10,35ss). Três vezes Jesus terá de corrigir a cegueira de seus seguidores. A primeira iluminação se dá contra a cegueira de Pedro (Mc 8,32ss). A segunda iluminação se aplica à ambição dos discípulos (Mc 9,35ss) e a terceira iluminação se faz sobre o pedido de Tiago e João (Mc 10,42-45).

Pedro, os discípulos, bem como os Zebedeus, olhando para Jesus, imaginavam algo muito diferente daquilo que ele realizaria. Como poderiam eles aceitar o aparente fracasso na cruz? Marcos, com habilidade, corrige esta cristologia triunfalista, mostrando que ambicionar um messianismo nacionalista é uma cegueira. Por isto mesmo, coloca uma segunda e última moldura: o relato do cego de Jericó (Mc 10,46-52). Este cego, ao chamar Jesus de “Filho de Davi” demonstra cegueira, pois neste conceito estava embutido um messianismo nacionalista não compatível com o Reino. Porém, sua fé e o tirou de sua compreensão errada e o tornou apto a seguir Jesus no caminho, que a partir de Mc 11 chega a Jerusalém onde se dá o desfecho da paixão, morte e ressurreição. Este cego é o protótipo dos discípulos que, ao aderir a Cristo tinham uma perspectiva nacionalista, mas aos poucos foram corrigindo esta cegueira. Fenômeno comum nos tempos de Marcos.

Aproximando-se, com fé, da pessoa de Jesus, os homens e mulheres de todos os tempos precisam aprender o verdadeiro sentido do messianismo de Jesus que vai além de ambições nacionalistas, pessoais, milagreiras, para abraçar com ele o projeto da cruz que compromete os discípulos a instaurar o Reino no mundo.

Relação com as demais leituras

A liturgia propõe um caminho de iluminação. Os israelitas, retornando do cativeiro (1ª leitura) serão iluminados, rumo à liberdade: cegos, aleijados, parturientes, todos terão seu lugar. Os cristãos verão Jesus como Sumo Sacerdote superior ao antigo (2ª leitura). Ele é quem faz a cam

Central de Conteúdo Unidade Rede Scalabriniana

Enviar Correção

Comentários