Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
09:00:00
Temática
12:00:00
 
 

Afinal, há possibilidade de falta de alimentos em Sarandi? – Rádio Sarandi

por José Leal de Oliveira
Foto: Divulgação

 

Na última semana, principalmente a partir da sexta-feira (20), após decreto de calamidade pública no município de Sarandi, o receio da população diante de um possível desabastecimento de alimentos por conta do Cononavírus (Covid19), fez os supermercados de Sarandi lotarem. Os estabelecimentos seguindo recomendações do decreto municipal, limitaram a entrada de pessoas. Assim, longas filas formaram-se nas portas dos estabelecimentos. As imagens atípicas para uma cidade de pequeno porte, como Sarandi, viralizaram. Mas afinal, há possibilidade de desabastecimento de alimentos no município? Nós conversamos com gerentes de dois Supermercados do município para compreender se há esta possibilidade.

Helvio Debona, Gerente de varejo dos supermercados Cotrisal, enfatiza que procura às unidades de Supermercados foi intensa. Ele afirma que as equipes conseguiram atender a todos, e os protocolos de segurança aos funcionários e aos clientes seguiram as normas especificadas pelos órgãos competentes. O atendimento nos caixas foi remodelado para evitar a aglomeração de pessoas dentro do supermercado. Sobre a possibilidade de falta de mercadoria, Hélvio explica que o recebimento e reposição de alimentos está garantido. “A gente continua recebendo a distribuição de alimentos normalmente. Todas as indústrias estão trabalhando e entregando. Nossas compras estão sendo feitas a distância, sem a visita de vendedores, e estão confirmados novos recebimentos.” Afirma ele.

 Helvio diz não acreditar na possibilidade de desabastecimento de alimentos, e afirma que a exceção é apenas alguns itens específicos, como álcool em gel, que antes vendia em torno de 12 unidade por mês, e passou a vender uma carga em um mês, sendo hoje, um item em falta. Segundo ele, para evitar a aglomeração, todas as unidades da Cotrisal criaram um horário de atendimento especifico e exclusivo para grupos de riscos, como idosos, das 8h às 8h30min, e há a possibilidade de entrega a domicílio, ligando para o 3361-1033 “Não é um sistema efetivo. Mas, faremos um esforço e nesse momento atenderemos dessa forma.” Finaliza Debona.

Para Márcio Wagner, proprietário do Hiper Wagner, a ideia de desabastecimento não preocupa. “Não é uma preocupação. Segundo a Associação Gaúcha de Supermercados (AGAS), as indústrias no ramo da alimentação seguem operando normalmente. O que há é uma falta de álcool em gel, que já era previsto pela demanda. Mas teremos pedidos para chegar. O restante está operando normalmente. Não há risco de desabastecimento.” Afirma ele. Marcio também afirma que a população não precisa se preocupar, e muito menos correr para os supermercados visando estocar alimentos. “Temos estoques, e as mercadorias estão chegando normalmente, a população não precisa se apavorar e correr para os supermercados para estocar. Não haverá falta de alimentos” afirma ele.

O acesso aos supermercados Wagner não está sendo limitado. Segundo Márcio, o engajamento das equipes no atendimento aos clientes evita a aglomeração nos caixas. Ele explica que todas as medias estão sendo tomadas como limpeza e distanciamento de pessoas. Porém, se houver necessidade, não descarta a restrição de acesso. “Se houver aglomeração poderemos limitar o acesso aos supermercados. Por enquanto não é necessário, pois estamos agilizando o atendimento” afirma ele.

Os mercados da rede Wagner também criaram horários diferenciados para atendimento ao grupo de risco “Nós iniciamos na semana passada um horário diferenciado para pessoas acima de 60 anos e do grupo de risco, das 7h30min às 8h. A porta será aberta apenas para estas pessoas.” Afirma Márcio.

Central de Conteúdo Unidade Sarandi

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais