Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
00:00:00
Igreja no Rádio
05:00:00
 
 

Cookies e Política de Privacidade
A Tua Rádio utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Cresce taxa de mortalidade infantil em Guaporé

por Eduardo Cover Godinho

Nasceram 294 crianças em 2015 no município. Destas, três morreram com menos de um ano de vida

Fato é resultado de uma construção histórica e que serve de exemplo para todos os municípios
Foto: Mariana Carlesso/SES

A Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul divulgou, no começo do mês de abril, em cerimônia no Palácio Piratini, o índice da taxa de mortalidade infantil dos 496 municípios. O Estado registrou a menor taxa da história, com 10,1 mortes para cada mil nascimentos. Em 2000, a taxa era de 15,1. O coeficiente de mortalidade infantil (CMI) é medido pelo número de óbitos de crianças ocorridos antes de um ano de idade. Porém, se no Estado o número apresentou queda, o mesmo não pode se dizer de Guaporé.

Em 2015, nasceram 294 crianças e houve o registro de três óbitos, totalizando um coeficiente de 10,2. No ano passado o coeficiente era de 3,3, com 307 nascidos e um óbito. Em 2013, Guaporé registrou 260 nascimentos e seis mortes de crianças com menos de um ano, o que totalizou o pior índice dos últimos anos com 21,4 no coeficiente. Nos anos de 2012 e 2011, o registro foi de três mortes, para cerca de 530 nascimentos. Nos municípios pesquisados da região, 11, dos 15, não registraram óbito de crianças menores de um ano de idade. O pior coeficiente (142,9) foi registrado em Fagundes Varela. Houve 14 nascimentos e duas mortes.

Durante a solenidade, o Governador José Ivo Sartori falou que este é o resultado de uma construção histórica e que serve de exemplo para todos os municípios.

“Reduzir a mortalidade infantil no estado e certificar municípios e coordenadorias regionais de saúde por suas ações é reconhecer o esforço para qualificar o atendimento e capacitar o setor”, destacou. O governador também salientou que o trabalho que vem sendo desenvolvido no estado é motivo de orgulho para todos e que “uma sociedade desenvolvida tem que ter uma boa organização na saúde”, afirma.

Segundo o Governo Gaúcho, as principais causas de óbito infantil estão relacionadas com a prematuridade, as infecções, as malformações congênitas e asfixia perinatal. A redução do coeficiente de mortalidade infantil do estado superou inclusive a meta pactuada dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), que pretendia alcançar um CMI de 15,7 em 2015, em nível nacional.

Para se ter uma ideia, na década de 1970, o Estado perdia 50 crianças a cada mil nascimentos. Nas décadas de 1980 e 1990, todos os esforços se concentraram na redução das doenças diarréicas e respiratórias, e o coeficiente foi reduzido para 16 óbitos.

Município Nascimento Óbitos Coeficiente
Anta Gorda 60 0 0,0
Casca 77 1 13,0
Cotiporã 35 0 0,0
Dois Lajeados 25 2 80,0
Fagundes Varela 14 2 142,9
Guaporé 294 3 10,2
Montauri 16 0 0,0
Nova Araçá 77 0 0,0
Nova Bassano 88 0 0,0
Paraí 72 0 0,0
São Valentim do Sul 22 0 0,0
Serafina Corrêa 208 3 14,4
União da Serra 4 0 0,0
Vespasiano Corrêa 11 0 0,0
Vista Alegre do Prata 10 0 0,0

 

Central de Conteúdo Unidade Sarandi

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais