Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
12:10:00
No Ponto
14:00:00
 
 

Em seis horas, bombeiros de Guaporé combatem três incêndios em vegetação

por André Fabio Bresolin

Em um dos pontos, a guarnição necessitou comparecer por duas vezes e a suspeita é que o fogo tenha iniciado de forma criminosa

O comandante do CB, de Guaporé, tenente Luimar Flores Braseiro, solicita a compreensão das comunidades para que evitem queimadas
Foto: Eduardo Cover Godinho

O Corpo de Bombeiros Militar (CB), de Guaporé, efetuou em questão de seis horas, três atendimentos de combate a incêndios em vegetação. Os casos aconteceram na manhã da quarta-feira, dia 11 de março, entre as 6h e o meio dia, na região norte da cidade, proximidades do Seminário São Carlos (bairro São José) e da subestação da concessionária Rio Grande Energia (RGE). Em um dos pontos, a guarnição necessitou comparecer em duas oportunidades e a suspeita é que os sinistros tenham iniciado de forma criminosa.

A primeira saída do quartel aconteceu antes do sol raiar. Por volta das 6h, os bombeiros, guarnição composta pelo sargento Rebello e soldados Dai Prá e Evanise, combateram, com a utilização dos dois caminhões de combate (ABTR e ABT) a queima de parte da vegetação nos fundos da Escola Municipal Zaida Zanon e Estratégia de Saúde da Família (ESF) São José. Foram mais de 10 mil litros de água e a atividade manual com a utilização de abafadores para combater as labaredas. Horas depois, novo chamado e o deslocamento para uma propriedade aos fundos da subestação, proximidades de uma reciclagem. Em questão de minutos o fogo, que provavelmente foi provocado de forma intencional, foi combatido pela guarnição composta pelos soldados Márcio, Giancarlo e Maron. Por volta do meio dia, nova saída dos bombeiros para o mesmo ponto e, desta vez, com os dois caminhões.

O comandante do CB, de Guaporé, tenente Luimar Flores Braseiro, solicita a compreensão das comunidades para que evitem queimadas em lavouras e em resíduos secos, entre outros materiais. Um pequeno descuido poderá gerar grandes prejuízos para o meio ambiente.

“Como está muito seco, o fogo tende a se espalhar rapidamente. Poderemos registrar somente a queima da vegetação, como também, as labaredas podem alastrar-se e atingir imóveis, causando prejuízos financeiros. Por isso, neste período de falta de chuvas, pedimos a compreensão de todos para que evitem qualquer atividade com fogo para a queima de lixo ou nas lavoras em propriedades rurais”, destacou Braseiro.

Central de Conteúdo/Rádio Aurora 107.1 FM
Rede Scalabriniana de Comunicação
Siga-nos no Instagram: @rdauroraguapore

Central de Conteúdo Unidade Aurora

Enviar Correção

Comentários