Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
 
 

Secretaria de Meio Ambiente participa de curso sobre licenciamento ambiental

por Eduardo Cover Godinho

Atividade de qualificação aconteceu na DPM em Porto Alegre

Secretária Monia Zampeze e Danielle Regina de Almeida Lanzarin, Assessora Ambiental, representando Guaporé no curso sobre licenciamento ambiental

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente participou, dia 13 de fevereiro, de um curso sobre licenciamento ambiental: Aspectos Jurídicos, no auditório da DPM, (Delegações de Prefeituras Municipais), em Porto Alegre. O curso foi ministrado pela Advogada da DPM, especialista em Direito Tributário e especialista em Direito Administrativo, Márcia Bello de Oliveira Braga. 

“Nosso objetivo é uma gestão eficiente, qualificada e atualizada. Nossa busca por formação será constante, para melhor atender nossa comunidade. Nos preocupamos muito com os aspectos legais que cercam os trabalhos desenvolvidos em nossas diferentes áreas de atuação”, explica a secretária Monia Zampeze.

Na ocasião, foram abordados temas referentes à Proteção Constitucional ao Meio Ambiente; Natureza jurídica do licenciamento ambiental; Lei complementar nº 140/2014 e Resolução CONSEMA nº 288/2014; Licenciamento ambiental: etapas, procedimentos e competências; Controle dos procedimentos de licenciamento ambiental entre outros aspectos jurídicos de extrema importância para o Licenciamento Ambiental.

A ênfase do curso esteve voltada às questões legais pertinentes ao licenciamento ambiental, reconhecendo a necessidade de desenvolvimento econômico sustentável visando a proteção ao meio ambiente.

“Temos certeza de que desenvolvimento e preservação ambiental podem caminhar em harmonia. Porque os recursos naturais e a vida dependem diretamente das decisões que tomamos hoje, e que vão refletir no amanhã. Temos um Governo Municipal consciente de seu papel como um grande incentivador do cumprimento das leis e do apoio àqueles que necessitam da secretaria. Foi um curso produtivo, que nos rendeu muito aprendizado”, conclui.


“O meio ambiente – com seu equilíbrio ecológico e sua qualidade a ser preservada não pode ser objeto de barganha, dado que é patrimônio da coletividade e bem inegociável. Não pode haver desenvolvimento genuíno se esse patrimônio for sacrificado – e a própria Carta Magna diz que há limites para a atividade econômica. Preservar o Meio Ambiente nos termos da Constituição não significa emperrar o desenvolvimento do país, mas ao contrário, alicerçá-lo”, Minaré, 2016.

Central de Conteúdo Unidade Aurora

Enviar Correção

Comentários

Newsletter Tua Rádio

Receba gratuitamente o melhor conteúdo da Tua Rádio no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.

Leia Mais