Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
19:00:00
A Voz Do Brasil
20:00:00
 
 

Controle de baratas: ação da secretaria da Saúde precisa do apoio da comunidade

por André Fabio Bresolin

Gel que elimina as baratas está sendo aplicado pelos profissionais no centro e nos bairros da cidade

Gel só pode ser aplicado a noite e em períodos sem chuva, para não sofrer degradação e garantir maior eficiência
Foto: Divulgação

Os Departamentos de Vigilância Sanitária, Ambiental e Epidemiológica, que juntos constituem a Vigilância em Saúde, vem prestar esclarecimentos com relação ao controle de baratas no município de Guaporé.

Existem diversas ações que são realizadas diariamente pelas Vigilâncias com relação ao controle de doenças no município, e é importante destacar que o controle de baratas não faz parte dos programas de saúde pública que esses departamentos atendem, pois até o momento, as baratas não estão ligadas a situações de surtos de doenças.

Tentando evitar a proliferação desses vetores no município, a Vigilância Ambiental está realizando levantamentos de áreas que estão mais infestadas, e ao mesmo tempo aplicando um gel (Advion® Barata Gel) cujo princípio ativo é o Indoxicarbe, e trata-se de um produto exclusivo para as principais espécies urbanas de baratas.

Atenção:

O gel só pode ser aplicado durante a noite e em períodos sem chuva, para não sofrer degradação e garantir maior eficiência nos resultados. Intervenções com o “fumacê” são proibidas pelo Estado do Rio Grande do Sul, segundo Nota Técnica SES/CEVS/DVAS Nº 01/2013, pois esse produto age de forma inespecífica, prejudicando espécies como peixes, aves, abelhas, etc.

Existem várias espécies de baratas, e as que ocorrem no ambiente externo, como calçadas e bocas de lobo, geralmente estão ligadas ao armazenamento inadequado de resíduos orgânicos, o que acaba consistindo em seu alimento. No fornecimento desse alimento, existe a participação da população, pois atitudes como armazenar resíduos orgânicos de forma inadequada, dispor de lixeiras inadequadas, em períodos que antecedam a coleta desses resíduos, o hábito de jogar sobras de alimentos, limpar os aspiradores de pó, varrer dejetos, folhas e outras sujidades para dentro da boca de lobo ou na própria calçada, são ações comuns no cotidiano e que transferem o problema da sujeira de dentro das casas dos moradores para a rua, onde irão alimentar, além de baratas, outras espécies de insetos e roedores. Outra prática comum, mas que é proibida em perímetro urbano é a criação de aves, como galinhas, que também acaba favorecendo o surgimento desses vetores.

Outro fator preocupante que e que foi levantado pelos servidores durante as vistorias realizadas, foi o descarte de esgoto doméstico na rede pluvial. Esse é um dos grandes fatores que favorecem a proliferação desse tipo de inseto. Segundo o Artigo 86 da Lei Municipal 2.224 de 1999, é proibido, sendo objeto de autuação, o lançamento de águas servidas, esgoto sanitário, resíduos graxos e poluentes de residências, prédios e terrenos particulares, em várzeas, canais, cursos d’água, bueiros, sarjetas, bocas-de-lobo, vias e logradouros públicos. O escoamento de águas servidas e dejetos deve ser feito para o sistema de esgotamento sanitário ou através de sistema individual, aprovado previamente pelo órgão técnico competente, proibida a ligação com a rede de escoamento de águas pluviais, se não houver tratamento prévio.

A Vigilância Ambiental , bem como a Vigilância Sanitária, geraram mais de 150 Notificações no início do ano de 2019 até o momento, mais de 20 Processos Administrativos Sanitários, além de realizar inúmeras ações de educação para escolas, distribuir folderes, atender denúncias e fornecer orientações de manejo ambiental para a população em geral. A maioria das notificações é referente à limpeza de casas e terrenos, que de alguma forma estão favorecendo a criação de vetores urbanos.

Para que a ação seja eficaz, lembrando que jamais será definitiva, é necessário que cada um faça sua parte. Não jogue lixo ou restos de alimentos a céu aberto, nas calçadas, terrenos baldios ou bocas de lobo.

O Poder Público Municipal segue aplicando o gel para acabar com a proliferação das baratas tanto no centro quanto nos bairros de Guaporé.

Confira a ação do gel que vem sendo aplicado quando há clima adequado, na área urbana.

Central de Conteúdo Rádio Aurora/Rede Scalabriniaba de Comunicação

Central de Conteúdo Unidade Aurora

Enviar Correção

Comentários