Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
09:00:00
Temática
12:00:00
 
 

Efeito Covid-19 - Número de demissões cresce vertiginosamente no 1º quadrimestre em Guaporé

por Eduardo Cover Godinho

Dados do Caged, compilados pelo Observatório do Trabalho - UCS, apontam para 240 empregos com carteira assinada encerrados

Foto: Ilustração

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que obrigou o fechamento parcial das atividades dos setores industriais, comerciais e serviços não essenciais, afetou diretamente a economia. Milhares de empresas fecharam as portas e outras, que estão sobrevivendo à crise, realizaram acertos como a redução da carga horária e salário, e a suspensão das atividades por um determinado período com os seus colaboradores para evitar o pior: a demissão.

Porém, os números apresentados pelo Governo Federal, através do Ministério da Economia, mostram que houve 763,2 mil empregos com carteira assinada encerrados no país nos quatro primeiros meses de 2020. O agravamento da situação deu-se nos meses de março e abril, momento em que as atenções voltaram-se para o enfrentamento à Covi-19 e o Brasil praticamente parou. Os setores do Comércio e Serviços, seguidos da Indústria, foram os principais responsáveis pelos desligamentos. Somente a Agropecuária teve performance positiva.

Em solo gaúcho, os dados apresentaram resultado negativo no 1ª quadrimestre. No acumulado, entre admissões e demissões, foram 53,1 mil trabalhadores com vínculo encerrado. Na região de abrangência da Universidade de Caxias do Sul (UCS), o Observatório do Trabalho, coordenador pela professora, Dra. Lodonha Coimbra Soares, compilou os números e apresentou um panorama de 13 municípios. Destes, 11 apresentaram mais vínculos encerrados do que abertos, o que representa 84,62%. Foram 4,8 mil postos de trabalhos fechados.

“A expectativa para o ano era muito boa, visto a movimentação do mercado formal ao término de 2019. Os dados até a pandemia era positivos e o país estava em pleno crescimento, muito pela confiança e investimentos dos empregadores. Porém, tudo mudou com a paralisação e a desaceleração de diversas atividades. O impacto financeiro provocou o fechamento de milhares de postos de trabalho”, afirmou Lodonha.

Entre os municípios analisados pelo Observatório do Trabalho está Guaporé. A cidade, nos três primeiros meses de 2020, registrou movimento de contratação com 86 vínculos abertos. Em 2019, a Capital da Hospitalidade, marcada pela pujança e empreendedorismo, finalizou com 325 novos empregos formais. O surgimento da Covid-19 comprometeu o crescimento dos vínculos celetistas e o último mês do quadrimestre apresentou queda. Foram 326 postos de trabalho encerrados. No acumulado do ano houve 240 empregos com carteira assinada encerrados, resultado influenciado pelos saldos da Indústria e Comércio.

“O município, assim como muitos do interior, conseguiu nos meses de janeiro, fevereiro e março apresentar resultados positivos, sendo que caracterizava-se com saldos maiores que 2019, indicando recuperação econômica. Mas, no mês de abril, com o avanço da Covid-19, os desligamentos começaram a aparecer mais fortemente. Acreditamos que ainda teremos dados negativos, infelizmente, quando forem apresentados os números de maio e junho”, disse.

Lodonha destaca que a incerteza quanto ao fim da pandemia e as medidas de distanciamento social tomadas pelos Governos devem provocar maior retração econômica.

“Muito difícil prever algo quando não se tem a certeza de que teremos uma vacina para a Covid. A economia está atrelada diretamente à saúde. O cenário poderá ser alterado quando tivermos um posicionamento oficial e concreto para estancar a circulação do vírus. O que deve ocorrer é a abertura gradual, com respeito aos protocolos de saúde, das empresas, comércios e serviços. A economia tem que continuar sendo movimentada e nós temos que tomar os cuidados necessários para evitar a contaminação ao vírus”, destacou.

Acredita-se que durante o período da pandemia haverá mais pessoas demitidas que contratadas em Guaporé. O município, conforme dados do Observatório do Trabalho – UCS, começou com 8.026 postos de trabalho formais e finaliza o período com 7.767 vagas, uma retração de 240 vínculos.

Central de Conteúdo Unidade Aurora

Enviar Correção

Comentários