Você está ouvindo
Tua Rádio
Ao Vivo
12:00:00
Um Olhar Diferente
12:10:00
 
 

Dia de Campo em Cotiporã aborda práticas para a citricultura

por Eduardo Cover Godinho
Foto: Divulgação

Um Dia de Campo sobre Citricultura, realizado na quinta-feira, dia 23 de novembro, na propriedade do agricultor Deonei De Villa e família, em Cotiporã, contou com a presença de 35 produtores do município e de Protásio Alves, além do vice-prefeito Ivaldo Wearich. A atividade, promovida pela Emater/RS-Ascar, com apoio da Prefeitura, buscou aprimorar técnicas utilizadas no dia a dia das propriedades.

Práticas recomendadas para esta época, como o manejo da copa e o raleio dos citros, foram abordados pelos engenheiros agrônomos Enio Ângelo Todeschini e Elvo Pomatti. De acordo com este, o manejo da copa (basicamente a poda) dá condições para a planta se desenvolver com saúde. Pomatti falou sobre os princípios que devem ser observados na condução da copada e fez uma demonstração de poda de laranjeira. “A poda verde, realizada até janeiro, já é a primeira prática de raleio de frutas”, destacou Todeschini. A retirada de parte das frutas visa garantir principalmente a qualidade das que ficam e evitar a alternância (produção demais em um ano e quase nenhuma produção no outro). O agrônomo explicou quando e como deve ser feito o raleio.

Em outra estação, o engenheiro agrônomo Valfredo Reali falou sobre as plantas de cobertura do solo, prática incentivada pela Emater/RS-Ascar. “É só vantagem ter o solo protegido, seja com ervas espontâneas ou cultivadas. É importante que os agricultores vejam isso como uma necessidade para produzir com qualidade e manter o maior capital da família, que é o solo. As plantas de cobertura são a única forma de manter e incrementar o nível de matéria orgânica do solo”, ressaltou. 

Outras vantagens apontadas pelo agrônomo são que elas evitam a erosão, mantêm a temperatura do solo estável e possibilitam a armazenagem de até 23mm de água por m² se o solo estiver bem estruturado, fazendo com que ele resista mais a estiagens. Além disso, diminui o uso de herbicidas, sendo que em Cotiporã, conforme Reali, tem produtores que não fazem uso de herbicida há sete anos. Ele falou, ainda, sobre as principais espécies utilizadas, a nutrição das plantas e o manejo. 

O dia de campo encerrou com a apresentação do Programa de Gestão Sustentável da Agricultura Familiar, da Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), que é executado pela Emater/RS-Ascar em todo o Estado. 

A extensionista da Emater/RS-Ascar, Jéssica Zalamena, explicou que o programa visa a gestão e adequação socioeconômica e ambiental das propriedades rurais familiares e explicou o que foi analisado na propriedade da família De Villa. Atualmente, 22 famílias fazem parte do programa em Cotiporã e, em 2018, outras 10 famílias ingressarão, com a elaboração de planos de gestão das propriedades pela Emater/RS-Ascar. 

Central de Conteúdo Unidade Aurora

Enviar Correção

Comentários